6 provas de que sua estratégia de marketing está no caminho errado

Sua estratégia de marketing está trazendo lucro para o seu negócio? Quais dados você está mensurando para avaliar a eficácia das suas campanhas? Seguidores nas redes sociais não vale. Separamos neste artigo 5 provas de que ela pode estar direcionando você para o caminho errado.

Toda estratégia de marketing deve possuir 3 ingredientes: planejamento, execução e mensuração.

Você fez o planejamento direitinho? Definiu seu público-alvo e tem sua persona com as dores e necessidades bem claras? Na execução, está utilizando os canais e ferramentas corretos? e os KPIs? Está mensurando as métricas que realmente importam? As métricas são fundamentais para você acompanhar a eficiência e eficácia da sua estratégia de marketing. E elas não têm nada a ver com os likes do Facebook.

Tantas perguntas e você aí querendo saber se seu negócio está indo (ou não) no caminho certo e dando os resultados esperado…

Por isso preparamos um post, onde vamos mostrar 5 provas de que sua estratégia de marketing está no caminha errado. (E o que fazer para corrigí-la).

 

1. Seus objetivos não estão definidos claramente
Já ouviu falar em metas SMART? O SMART vem de Específico (S), Mensurável (M), Alcançável (A), Relevante (R) e Temporizável (T). Para ter sucesso em sua estratégia de marketing você deve ter objetivos claros. Isso te dará foco, além de evitar desperdiçar dois grandes ativos do seu negócio: tempo e dinheiro.
Tudo começa com um objetivo. Se não, está correndo sem direção. Isso irá permear mais à frente as métricas que você deverá mensurar.

Que tal um exemplo?
Dependendo do estágio do seu negócio, os objetivos podem variar, mas, em geral, se você está dando os primeiros passos no marketing digital e busca garantir o mínimo de presença na internet, o foco será em gerar leads para o seu negócio.

Então é importante definir em quantos dias você terá uma determinada quantidade de leads. Assim: “Em 30 dias, nosso negócio deverá ter captado, no mínimo, 50 leads.”

 

2. Seus nicho de mercado está saturado
A melhor forma de garantir seu lugar no mercado é através dos nichos de mercado. No entanto, você deve estudar e definir bem quando nicho de mercado irá atuar. Isso terá impacto direto sobre o desempenho da sua estratégia de marketing.

Se você decidiu investir em um nicho apenas porque gosta do tema, e não está tendo o retorno que gostaria, é provável que você esteja inserido em um nicho muito concorrido, o famoso “oceano vermelho”, dominado por grandes players.

A alternativa neste caso é buscar maior especificidade, sair do nicho e ir para o super nicho.

Um exemplo: seu negócio é do segmento de vestuário e vende para homens e mulheres de todas as idades. Percebeu como o próprio segmento em si é muito abrangente? Atendendo um público muito amplo, sua concorrência é maior.
E se você restringir mais seu público e mudar a atuação para o super nicho? Seu negócio seria agora especializado em moda infantil, para crianças de 0 a 10 anos. Com certeza, você terá muito menos concorrentes.

 

3. Sua persona não foi definida
Em outras palavras, você não tem ideia de com quem está falando…

A persona é uma representação semi ficcional que representa o cliente ideal de uma empresa, criada com objetivo de ajudar seu negócio a entender quem é seu cliente e do que ele precisa.

O marketing digital permite que você fale diretamente com quem está interessado em seu produto ou serviço. Pouquíssimos segmentos podem dizer que vendem pra todo mundo. Até mesmo um segmento como alimentação e vestuário, possui subgrupos e uma infinidade de públicos mais específicos com o qual trabalhar.

Portanto, para uma estratégia de marketing vencedora, você precisa ter uma persona definida. Se não tem, defina a sua pra ontem.

Se precisar de ajuda no processo de criação da sua persona, temos um conteúdo para facilitar. Acesse AQUI.

 

4. Você não está organizando seus conteúdos

Como você define os temas dos seus conteúdos? E como os distribui nos canais sociais? Se você produziu conteúdo e os distribuiu em todos os canais possíveis sem antes definir sua persona, você está fazendo isso errado.

Definir a persona é uma das etapas mais essenciais da sua estratégia. Afinal, para saber COMO e ONDE falar, você precisa saber para QUEM falar.

Entendendo sua persona, com suas dores e necessidades, seus hábitos e em quais redes sociais ele interage, saberá quais conteúdos abordar.

Dica Extra: Utilize a multiplicação mágica de conteúdo para adaptar o mesmo conteúdo para diferentes canais. Por exemplo: 1 ebook pode ser transformado em vários artigos e posts para as redes sociais.

 

5. Você não está mensurando as métricas corretas
O que é pior: não mensurar suas ações no marketing ou mensurar dados irrelevantes? Com certeza os dois cenários são prejudiciais.

Peter Drucker, o pai da administração moderna dizia que “o que não é medido não pode ser melhorado”. E nós complementamos dizendo que não saber o que medir, aliena seus resultados fazendo você gastar mais do que deveria e lucrando menos do que poderia.

Vamos considerar que você está mensurando algumas métricas em suas campanhas, seja diária, semanal ou mensalmente. Como saber se são as métricas corretas? Simples: olhe para o seu objetivo. Para cada objetivo, você tem uma ou mais métricas a ele relacionadas.

Se uma campanha tem como objetivo o incremento da receita e vendas, você deve ficar de olho em métricas como o retorno sobre investimento em suas campanhas (ROI), o custo de aquisição de clientes para o negócio (CAC) e o ticket médio, valor que cada cliente gasta, em média, nos serviços e produtos da sua empresa.

 

6. Você não sabe o retorno sobre os seus investimentos
O quanto dos seus esforços está se tornando lucro efetivamente?

Se toda estratégia tem como objetivo final gerar retorno financeiro para a empresa, ela não pode gastar mais recursos do que gera de receita. O Retorno sobre Investimento (ROI) é a métrica que demonstra se um investimento teve saldo positivo ou negativo.

Para saber qual o retorno, positivo ou negativo, basta seguir a fórmula:

ROI = ((Lucro – Investimento) / Investimento) x 100

Um exemplo: se em um ano você investiu R$10.000 em marketing, por exemplo, e gerou R$50.000 em receita, seu ROI foi de 4x ou 400%. Isso significa que a cada R$1 investido, você gerou R$4 de lucro.
Se o ROI está positivo, sua estratégia está trazendo lucro para a empresa. Se estiver negativo, significa que você está gastando mais do que deveria para adquirir novos clientes.

Se identificou com um ou mais problemas que estão direcionando sua estratégia de marketing para o caminho errado? Ao perceber estes sinais na sua empresa acenda uma luz amarela. É provável que exista uma oportunidade de melhoria, fazendo que com que seus esforços sejam mais assertivos e seus resultados, muito melhores.

Quer uma ajuda da Vindi com o marketing estratégico do seu negócio? Fale com um de nossos consultores, clicando no banner abaixo:

 

Desenvolvimento de Personas: Como acertar sua estratégia de marketing e parar de jogar dinheiro fora

Muitos empresários chegam na Vindi e ao serem perguntados sobre quem é o seu cliente, logo respondem: “todos!”. esse é o primeiro erro clássico de marketing : achar que todo mundo é seu cliente!

 

Dizer que “todo mundo” é seu cliente é muito vasto, muito aberto e, convenhamos, as pessoas são diferentes! E têm desejos diferentes para as mesmas necessidades, onde por exemplo, para a necessidade de se hidratar para acabar com a sede, um cliente pode ter o desejo de comprar uma água mineral , outro de tomar um isotônico, outro talvez queira um refrigerante –  todos atendem a necessidade desse cliente, mas através de diferentes produtos ligados ao desejo do cliente. Então anote aí essas primeiras definições:

 

Necessidade é tudo aquilo que você tem que ter e é indispensável, por exemplo, alimentação, transporte, vestuário, habitação, educação, saúde e entre outras, são as necessidades básicas do ser humano.

 

Desejo é uma aspiração ou expectativa de possuir ou alcançar algo, está muito ligado a vontade do ser humano. Por exemplo, para uma pessoa que necessita de transporte, ela pode ter o desejo de deslocar de ônibus ou de carro.

 

Beleza, após essa explicação, ficou claro que a sua empresa não deve ter enquanto cliente, todos os clientes, certo?

 

Segmentação

 

É importante você escolher um segmento claro que consiga atender o máximo de necessidades e desejos desse cliente. Pratique a escolha de um grupo de clientes e veja como a sua solução consegue atendê-lo. Na verdade, sugerimos que você faça melhor: crie uma solução (produto ou serviço) para atender os objetivos (necessidades e desejos) desses clientes e não faça o inverso – não crie um produto e depois tente encontrar o cliente.

 

No marketing existem algumas definições que são importantes e devem ser  resgatadas para evitar que erros como esse acima citado. Você provavelmente já escutou falar sobre mercado, segmentos de mercado, público alvo, segmentos de clientes, e persona, certo? Mas você sabe diferenciá-los? Pois é: sobre esses tópicos vamos falar um pouco abaixo para que você possa construir com clareza, enfim, a persona dentro da sua estratégia de Inbound marketing.

 

Mercado

 

Primeiramente vamos falar sobre o mercado. Muitas empresas sonham em atender todo o mercado, mas como vimos acima, é errado e insano pensar assim. O mercado é o local onde vendedores e compradores se encontram, negociam e transacionam via troca monetária, bens ou serviços entre as partes, o qual tende a se equilibrar naturalmente pela lei da oferta e da procura. Como vender algo específico para todos? As necessidades e desejos não vão bater…

 

Segmento de Mercado

 

Dentro desse mercado amplo e bastante abrangente, existem os segmentos de mercado, que são grupos de consumidores que possuem as mesmas preferências e características.

 

As empresas segmentam o mercado para agregar potenciais compradores em grupos que têm uma necessidade em comum e que responderão de forma similar a uma ação de marketing, aumentando assim as vendas e a rentabilidade das ações de marketing.

 

Essas segmentações de mercado podem ser baseadas tanto nas características do cliente como nas situações de compra, e variam de acordo com o tipo de cliente, como veremos a seguir:

 

  • Business-to-Consumer(B2C):

o   Características do cliente: geográficas (região, tamanho da cidade, etc), demográficas (gênero, idade, estado civil, etc) e psicográficas/comportamentais (personalidade, valores e estilo de vida);

o   Situação de compra: tipo de ponto de venda (em loja , venda direta), benefícios procurados (características do produto, necessidades), uso/frequência (taxas de uso, situações do usuário), consciência/intenções (conhecimento do produto) e comportamento (envolvimento).

 

  • Business-to-Business(B2B):

o   Características do cliente: geográficas (região, área estatística e densidade), demográficas (atividade econômica, setor, número de empregados, vendas anuais, números de locais);

o   Situação de compra: natureza do bem (tipo, forma de uso e aplicação) e condição de compra (localidade de compra, quem compra, tipo de compra).

 

Público-Alvo

 

Dentre esses diversos segmentos de mercado, existe um segmento que tem mais afinidade e interesse potencial por seus produtos e serviços. A esse segmento de mercado, chamamos de público alvo da sua empresa.

 

Por exemplo, um público alvo, descrito de forma bem sucinta para uma academia de alto padrão localizada em Belém do Pará, poderia ser:

 

“Jovens entre 25 e 35 anos, residentes em Belém, da classe B e A com renda acima de R$ 9.370,01 que gostam de realizar atividades esportivas e adeptos de um estilo de vida saudável.”

 

De forma mais objetiva, para ficar mais claro para a organização, temos os segmentos de clientes, que de acordo com Alexander Osterwalder, um dos autores do livro Business Model Generation (2011), é o “agrupamento de um segmento distinto de clientes que têm necessidades comuns, comportamentos comuns e outros atributos comuns, onde a sua empresa deverá tentar alcançá-los para melhor servi-los”.

 

Um exemplo de segmento de clientes para o Google: usuários e anunciantes. Perceba que é bem mais direto, pois o Google terá que pensar em serviços para atender com excelência a ambos – os grupos de  usuários e também como entregar os melhores serviços para os anunciantes.

 

Algumas empresas ainda determinam o seu cliente ideal (Ideal Customer Profile – ICP), ou seja, aquele cliente que cumpre uma série de requisitos e deixa o melhor retorno para a empresa. Normalmente esse cliente ótimo é traçado pelo diretor de marketing do seu negócio, o qual deve determinar que características são as mais relevantes, como por exemplo, o hipotético cliente ideal uma agência de marketing:

 

“Herdeiro de um negócio familiar do ramo da construção civil, com nível superior, amante de inovação, fã da marca, que entende o serviço, tem uma verba de marketing estabelecida no valor de no mínimo R$ 10.000,00 e tem poder dentro daquela organização para executar as estratégias acordadas”.

Claro que você poderá especificar ainda mais detalhes sobre esse cliente ideal, apontando quais os locais que você o encontra, que comportamentos ele tem e outras características que são mais interessantes e que ele possa vir a ter.

 

Cada empresa, inequivocamente, tem o seu cliente ideal. Cabe ao marketing comunicar para a equipe de vendas essas qualificações, de forma que esse time consiga ir para o mercado de forma mais orientada e possa trazer novos clientes para a sua empresa.

 

Persona

 

Certo, avançamos mais um marco!

 

“E a tal persona? Como eu faço a minha persona para executar com excelência o Inbound marketing na minha empresa? ”

 

Agora que você já tem o perfil do seu cliente ideal, podemos construir a nossa persona.

 

Após apresentar todos esses termos ligados intimamente ao marketing é fundamental entender o conceito do que é Persona (ou Buyer Persona) e porquê ela é tão importante para o marketing digital da sua empresa.

 

Persona é um personagem típico fictício retirado do seu público-alvo, que representa o seu cliente ideal, ou seja, é a convergência de características reais do seu público alvo em um só personagem e que representa em sua essência todas essas características.

 

“Por que fazer uma persona para a minha empresa?”

 

A persona é criada para ajudar a sua empresa a ter empatia com os seus clientes, com isso, é possível que a sua equipe de marketing consiga analisar que tarefas o seu cliente realmente deseja executar, quais são os desafios que ele precisa cumprir, quais são os seus objetivos, quais são suas dores, preocupações, suas principais dificuldades e os seus principais sonhos, desejos e realizações.

 

Olhando para o indivíduo fica muito mais fácil entender e encantar o seu cliente. É possível gerar no cliente aquela percepção “Essa empresa pensou em mim quando fez esse material!”. Assim, você conseguirá produzir conteúdos muito mais humanizados e, de certa forma, mais personalizado também.

 

Quer ver um exemplo de persona para aquele mesmo público alvo da academia de alto padrão que foi citado anteriormente?

 

“Marina, solteira, 30 anos, residente em Belém do Pará, no bairro do Umarizal, com uma renda de R$ 12.000,00 mensais, fruto do seu trabalho como funcionária pública federal. Marina curte praticar diversos esportes, tanto coletivos como individuais. Seu hobby é participar de competições de triathlon e seguir uma alimentação rígida e saudável. Suas amigas a consideram as vezes chata demais por seguir uma rotina diária de abdicações por causa dos treinos e da alimentação saudável, causando uma frequente falta em eventos sociais que concorrem com a sua rotina, o que deixa Marina triste às vezes. Marina deseja com esses sacrifícios se manter jovem e saudável, bem como ser exemplo para as suas amigas que estão um pouco acima do peso e que é possível sim conciliar sucesso profissional, qualidade de vida e saúde.”.

 

Nessa declaração de persona é possível identificar diversas características que compõem o seu público alvo, pois apresenta características geográficas, demográficas e psicográficas , mas além disso, permite enxergar os objetivos e sonhos da Marina, bem como seus problemas e preocupações.

 

Perceba que Marina está dentro daquele público-alvo supracitado, mas a forma apresentada usando a persona é muito mais tangível e quente do que as informações frias caracterizadas na declaração do público-alvo.

 

Com a persona, a sua equipe de marketing terá condições de  trabalhar de forma mais correta ao pensar em conteúdos e ações que venham ajudar a Marina a resolver os seus problemas e atingir seus objetivos, diferentemente de pensar nos jovens de 25 a 35 anos, que convenhamos, é muito mais distante da realidade da nossa triatleta. Você não concorda?

 

Agora que você já leu e sabe a importância de ter personas bem definidas para o sucesso da sua estratégia, que tal fazer um Raio-X do marketing digital do seu negócio?

 

Clique no banner e experimente nossa ferramenta GRATUITA.

 

4 dicas de produtividade para mudar sua vida agora mesmo

Prática, regra, rotina, mania são alguns dos sinônimos dos famosos hábitos. Aquela palavra que muita gente conhece, mas pouca gente consegue manter.

Quando você se der conta que criar hábitos pode ser muito bom para a sua produtividade e, consequentemente, para os resultados do seu negócio, talvez você se convença a começar hoje mesmo.

E para que fique mais fácil neste post você vai aprender 4 dicas de produtividade para mudar sua vida agora mesmo.

Quero compartilhar aqui quatro das maiores dicas de produtividade que usei neste ano que me ajudaram a fazer nos últimos 6 meses o ano mais incrível da minha vida. Eu também compartilharei como você pode aplicar isso na sua vida para tornar o seu  segundo semestre ainda melhor

1. Use o bloqueio de tempo.


Ter uma lista de tarefas não é uma coisa ruim por si só. Mas levanta a mão quem cria uma enorme lista de tarefas e nunca consegue resolver todos os itens listados.   o/

Este ano, eu decidi que uma lista não era suficiente. Eu precisava realmente agendar tempo no meu dia para realizar essas tarefas. Esse conceito é muitas vezes conhecido como “time-blocking”, e é tão simples, mas tão poderoso, que você não vai acreditar.

Basta pegar sua lista de tarefas e dar a cada item um lugar no seu calendário. não importa se você usa um calendário físico ou um online; simplesmente bloqueie o tempo para trabalhar em cada item da sua lista.

Então, quando você estiver no seu bloco de tempo, não se deixe distrair. Desligue o seu telefone, não verifique seu e-mail (a menos que você esteja no seu bloco de “checar e-mails”) e faça apenas isso!

2. Faça o seu trabalho mais importante primeiro.


Em um dia muito puxado, se você for frio e calculista, vai perceber que geralmente há apenas uma ou duas coisas que  devem ser feitas imediadamente para manter sua sanidade mental (e clientes na carteira). Sim, existem inúmeras tarefas e itens na sua lista de tarefas. Mas eu aposto que uma ou duas coisas são significativamente mais importantes do que o resto.

No passado, me considerava um campeão em procrastinar nesses itens, porque eles exigiam o maior esforço ou tinham as maiores “buchas”. Aí o que eu fazia? Checava o e-mail, agendava reuniões e fazia outras cem tarefas antes de focar na principal tarefa.

Como resultado, a única coisa que eu realmente precisava fazer para impulsionar meu trabalho muitas vezes nunca era concluída, o que atrapalhava o crescimento da agência como um todo.

Para organizar o que é prioridade me relação a outra tarefa, recomendo o Run Run.it que consegue te ajudar a reservar prazos, horas trabalhadas e prioridades com um visual muito agradável.

 

3.Aprenda o poder do NÃO.

A ideia não é que você se torne uma pessoa inflexível e pouco solidária, mas dizer “não” em alguns momentos é fundamental para que você consiga gerenciar melhor o seu tempo e ser mais produtivo. Afinal, o que adianta assumir todas as tarefas, nos sobrecarregar e não dar conta de cumpri-las no prazo necessário?

Mas como dizer não sem parecer egoísta e ainda manter bons relacionamentos no ambiente de trabalho? Não é tão simples, mas tente seguir essas dicas: não diga “não” logo de cara, peça um tempo para avaliar se conseguirá ou não oferecer ajuda e depois procure a pessoa para explicar educadamente a situação; ofereça outras soluções, seja criativo; tente negociar prazos e verifique se existe a possibilidade de aguardar enquanto você finaliza suas prioridades.

Lembre-se, dizer “não” é respeitar e valorizar o seu trabalho e o seu tempo.

 

4. Evite reuniões improdutivas.


Sabemos que hoje em dia cada minuto é valioso, então por que perder tanto tempo em reuniões longas e pouco produtivas?

Ok, vamos direto ao assunto. Defina um ou mais objetivos que deverão ser alcançados durante a reunião, e concentre-se neles. Controle o tempo da reunião, para isso, o ideal é definir alguém para ficar no comando.

Este líder ou algum outro participante designado poderá, após o fim da reunião, enviar por e-mail a todos um resumo (em tópicos) sobre o que foi discutido e quais são os próximos passos de cada um, com as datas estabelecidas. Assim fica mais fácil acompanhar o andamento do trabalho e a reunião terá alcançado o seu propósito.

 

E aí, curtiu as dicas? O que você tem feito para ser mais produtivo? Escreva aí nos comentários.

Sugestões de livros:

A importância do planejamento para fazer a empresa crescer de forma sustentável

Para fazer a empresa crescer, o planejamento deve ser um roteiro formalizado, capaz de descrever como sua organização executará a estratégia escolhida. Além disso, ele deve apontar a direção para a qual o negócio deseja ir e mostrar o que fazer para chegar lá.

O planejamento estratégico tanto pode englobar a organização como um todo quanto focar em uma área ou departamento relevante.

Neste artigo, vamos mostrar a importância de um planejamento de negócio inteligente, pensado a longo prazo, para alcançar um crescimento sustentável e garantir o sucesso da sua empresa por mais tempo. Boa leitura!

A importância do planejamento

O objetivo principal do planejamento é conectar-se à missão, à estratégia e aos objetivos da empresa, abordando estas três questões:

  • missão: qual é o nosso propósito?
  • visão: o que queremos alcançar?
  • estratégia: Como é que vamos chegar lá?

Talvez a razão mais óbvia para se engajar na elaboração de um planejamento de negócio é o fato de que ele fornece direção e foco, por meio de um documento escrito e acessível a todos os envolvidos.

Com a articulação perfeita desses 3 elementos, é possível desenvolver um planejamento que guie seu negócio ao sucesso.

O papel do alinhamento organizacional

Ter todos os envolvidos participando do planejamento ajuda a manter a motivação e cria a oportunidade perfeita para abrir a discussão sobre os futuros rumos da empresa. É por essa razão que um planejamento inteligente:

  • contribui para a transformação cultural da empresa.
  • impulsiona o alinhamento entre diferentes equipes;
  • aperfeiçoa a capacidade, em cada colaborador, de tomar melhores decisões.

Além disso, esse processo estimula a troca aberta e criativa de ideias, incluindo a resolução de conflitos e elaboração de soluções eficazes.

A maioria das empresas possui colaboradores dedicados, mas que colocam seus melhores esforços em áreas que não possuem nenhum efeito prático para o sucesso estratégico ou para a realização de metas e objetivos importantes.

As ações para fazer a empresa crescer

Antes de iniciar, confira as dicas a seguir; você pode utilizá-las como um guia rápido para obter o máximo de seu processo de planejamento de negócio:

  • reúna um grupo heterogêneo, mas apropriado para ser a sua equipe de planejamento;
  • estimule o pensamento estratégico de longo prazo entre os seus colaboradores;
  • obtenha o comprometimento total de todos na empresa;
  • incentive a troca de ideias, o feedback e o diálogo aberto e livre — sempre realizados de forma respeitosa e profissional —, independentemente da posição de cada pessoa dentro da organização;
  • torne seu planejamento possível, dentro da realidade do negócio;
  • defina claramente os próximos passos a serem dados;
  • mantenha seu plano flexível e aberto a atualizações periódicas;
  • torne o planejamento a regra, e não a exceção.

O planejamento de negócio permite enxergar os desafios diários sob uma perspectiva diferente, contribuindo para lidar com eles de uma forma mais organizada.

Ao aplicar essas dicas, você compreenderá melhor como seus negócios são afetados por cada um de seus problemas. Dessa forma, será mais fácil fazer a empresa crescer e controlar o próprio destino.

Gostou do artigo? Então, curta nossa página no Facebook e fique atento às próximas publicações: nós sempre temos novas ideias para desenvolver seu negócio!

Marketing estratégico: ou faz assim ou está errado!

A Tesla é considerada uma das empresas mais inovadoras do mundo. Apesar de atuar em um mercado competitivo, o automobilístico, ela tem crescido como nenhuma outra. Seu segredo: investe aproximadamente 18% do orçamento no desenvolvimento de novos produtos.

Esse é apenas um dos vários exemplos de como a inovação em uma empresa pode tornar sua marca mais forte e desejada. Mas para isso é necessário vencer diversas barreiras internas e externas, como a falta de recursos, os concorrentes e o mercado em geral.

É aí que entra o poder do marketing estratégico.

Este conceito une as ideias de marketing e estratégia em uma única visão. Envolve planejamento e análise com uma visão de futuro, envolve também foco total nos desejos, necessidades e interesses dos clientes e consumidores finais para:

  • Adequar/segmentar sua oferta de produtos e serviços;
  • Adequar toda a sua estratégia de comunicação; e
  • Trabalhar o fluxo de informações da ponta do consumo à organização e da organização ao consumidor final.

E exemplos de inovação como o da Tesla são fruto de muitas horas de transpiração e aquela dose de inspiração. Afinal, inovação nos negócios precisa estar muito bem amarrada à sua estratégica de marketing.

Pensando nisso criamos um post especialmente para você. Continue lendo e veja quais são os desafios para tornar sua empresa mais inovadora e como fazer isso. Boa leitura!

 

Principais desafios para a inovação na empresa

 

É muito comum pensar em inovação como a criação de algo grande e disruptivo, mas nem sempre é assim. Algumas inovações são pequenas, feitas como um passo a passo para o sucesso – ou para se chegar no grande objetivo. Isso é chamado de inovação emergente.

 

Imagine o setor automobilístico. É quase impossível comparar um carro atual com um fabricado cinco décadas atrás. Ou seja, as mudanças não ocorreram do dia para a noite, elas foram feitas aos poucos, peça por peça.

 

Mesmo essas pequenas inovações enfrentam grandes barreiras para existir, desde problemas com recursos financeiros limitados até a falta de uma liderança realmente eficiente. Veja agora os principais problemas:

 

  • Falta de recursos para financiar novos projetos;
  • Dificuldade em encontrar líderes inspiradores;
  • Processos burocráticos;
  • Equipe pouco entusiasmada;
  • Falta de uma cultura de inovação;
  • Necessidade de retorno imediato.

Como garantir a inovação na empresa

 

Inovar é uma forma de melhorar a qualidade dos serviços e produtos existentes, otimizar a eficiência operacional, superar as expectativas do público-alvo, expandir o negócio e garantir uma marca mais sólida no mercado.

 

Mas, como fazer isso?

Mantenha o foco no ambiente externo

 

O mercado é grande e repleto de oportunidades, então, para quem deseja inovar, é preciso manter o foco nas necessidades que existem e precisam ser supridas. Uma ótima dica é buscar os nichos de mercado, pois neles a competitividade é menor.

 

Monitore os principais concorrentes

 

Os concorrentes são excelentes fontes de inspiração. Ao monitorá-los é possível avaliar o que pode ser aperfeiçoado em sua própria empresa. Para isso, é importante definir e acompanhar alguns indicadores-chave de desempenho.

Acompanhe as categorias adjacentes

 

Essas são empresas que podem competir com seu negócio em algum momento, mas não são necessariamente concorrentes. Imagine uma cafeteria e uma loja de energéticos: são coisas completamente diferentes, mas um cliente poderia deixar de tomar um café para tomar um energético. Isso é uma categoria adjacente ou uma concorrência indireta. Acompanhe-as e tenha muitos insights.

Crie um time inovador

 

As pessoas são um importante elemento para a inovação nos negócios, então é importante incentivar os funcionários a “pensar fora da caixa”. Para isso, marque reuniões de brainstorming, implemente caixas de sugestões e melhore a comunicação interna.

Busque consultorias externas

 

Os consultores são especialistas em uma área e possuem todo o know-how necessário para implementar eventuais mudanças na empresa. Então é importante buscar especialistas nas áreas de maior deficiência ou dificuldade de mudança, para auxiliar esse processo.

Reserve um orçamento específico para projetos inovadores

 

Inovar envolve diversos custos, seja com o monitoramento de concorrentes, construção de equipes ou contratação de especialistas. O retorno da inovação será de médio ou longo prazo, então reserve um orçamento específico para isso.

 

Nenhuma empresa deve pensar apenas no hoje, mas também gerenciar seus diversos recursos pensando no amanhã, por isso, inovar é uma necessidade básica.

 

Agora que já conhece os principais desafios da inovação na empresa e como fazer isso, aproveite para compartilhar suas dúvidas e experiências sobre o assunto. Deixe seu comentário em nosso post!

 

Que tal aproveitar a leitura e entender mais sobre Funil de Vendas e descobrir como transformar visitantes de um site em clientes?

Curso de Business Model CANVAS??

Se você já participou de algum evento na área de empreendedorismo que o engaje a criar startup ou outro modelo de empresa, então você já foi apresentado brevemente ao Business Model CANVAS.

Se você ainda não ficou cara a cara com um, não se preocupe, você ficará.

O CANVAS é um esquema que visa criar e entregar valor para o segmento de clientes que você pretende atender. Em poucas palavras, ele vai te fazer enxergar a empresa dos seus sonhos a partir de 9 blocos preenchidos com post-its, ele será o seu mapa e condensará a essência do seu projeto.

CANVAS

Exemplo de Business Model Canvas. Fonte: Vindi Ideias e Inovação.

Se antes as pessoas precisavam de muitas páginas e dias para explicar como seria o modelo do seu negócio a partir do marketing, do operacional e financeiro da empresa, hoje em algumas horas você tem um CANVAS cujo resultado pode ser capaz de convencer os investidores de que sua futura empresa merece uma chance no mercado.

A Vindi possui uma vasta experiência na aplicação da ferramenta, são mais de 300 negócios otimizados ou criados a partir do mapeamento e cocriação de valor. Agora queremos compartilhar esse conhecimento e contribuir para a criação de modelos de negócio inovadores na cidade de Belém, mas para isso precisamos conhecer VOCÊ, suas expectativas e disponibilidades.

Queremos lapidar um curso especialmente para você e fazer com que você saia de um workshop com a certeza de que é capaz de se debruçar sobre uma ferramenta como o CANVAS e explorar novas oportunidades que surgem na sua cabeça, e o que é melhor: dar o primeiro passo para que sua ideia seja viável para o mercado.

Tem interesse em participar de um workshop de CANVAS da Vindi? É só preencher o formulário clicando aqui!