Posts

Dimensões do facebook

O Facebook é uma ferramenta importantíssima para o marketing digital da sua empresa e é necessário que você saiba usá-la da melhor forma possível. E pra te ajudar nessa missão, vamos te dar um guia rápido dos formatos de imagem do Facebook.

 

Primeiramente, por quê saber esses formatos?

Manter a qualidade das suas imagens no meio digital te ajuda a passar credibilidade e confiabilidade para seu cliente. Sabendo os formatos padrão, você evita que sua imagem fique em baixa resolução, ou que fique reduzida, e assim dificulte a leitura das informações, entre outros problemas que podem ocorrer.

Então vamos para o que interessa!
Primeiramente você precisa saber que o ideal é que suas imagens estejam em PNG com resolução mínima de 72 pixels por polegada e em RGB.
(Não sabe o que é PNG? Esse vídeo aqui pode te ajudar!)

(Também não sabe o que é RGB? temos outro vídeo!)

Quais as dimensões?
Para a facecapa, sua imagem deve ter 820 pixels de largura e 312 pixels de altura. Para o avatar, as dimensões mínimas são de 180x180px, mas indicamos que você utilize as de 360×360. Não se preocupe que o Facebook fará a adaptação do formato neste caso.

“Mas Marina, no aplicativo do Facebook do meu celular a minha imagem fica cortada!! E agora???”
Calma, calma. Se você quiser dar preferência para a visualização da sua imagem no Facebook mobile, você deve utilizar as dimensões de 820px de largura e 462px de altura.

 

“E para as minhas postagens??”
Para os posts, o Facebook disponibiliza três diferentes formatos: um quadrado de 600x600px; um em widescreen de 1200 x 630px; e os posts em medidas de 1000px de largura e 1300px de altura.

 

E então, ficou alguma dúvida? Entra em contato com a gente!
E se precisar de mais algumas dicas pro seu Facebook, esse vídeo pode te ajudar (:

Facebook entra na briga com Snapchat

Posso copiar o teu trabalho? Pode, só não faz igual, ok?

Parece que a tendência das mensagens efêmeras veio para ficar. Depois do Instagram, agora é a vez do Facebook lançar uma funcionalidade para bater de frente com o Snapchat.

Facebook lança aplicativo para concorrer diretamente com o Snapchat

Lembra que conversamos sobre o que poderia ser uma briga de “cachorro grande” entre Instagram e Snapchat?

Quatro meses se passaram e a empresa que foi responsável por trazer os efeitos de modificações faciais leva para o Facebook o mais novo concorrente do “Snap”:  o “Flashs”.

Entre gigantes como Facebook, Google e Microsoft, o Snapchat é visto como um concorrente extremamente popular e valoroso – chega a ser ficícil acreditar que ainda não tenha sido comprado por um dos gigantes mencionados no começo deste parágrafo, mas a minha opinião é que, se o pessoal do Zuckerberg está tentando brigar com a mesma funcionalidade, significa que novas formas de monetização e anúncios vêm por aí.

E esse app está disponível para quem, Diego?

Brasil (usuários de Android) foi o escolhido para estrear o novo aplicativo do Facebook (estamos podendo, hein?). Pelo que pude observar, a rede social conta com um chat embutido e outros muito parecidos com o rival amarelo: imagens e histórias que se autodestroem e filtros diversos, com a possibilidade de adicionar mensagens, emojis e compartilhá-las com seguidores. Só que, dessa vez, as mensagens tem 72h de vida.

Outra coisa diferente é o peso do app no celular: 20MB contra 75MB do Snapchat.

E aí, será que é dessa vez que você vai largar o Snapchat ou o Snapagram?

 

Com informações do Digitaltrends

marketing-digital

 

5 dicas sobre formatos de arquivo que você já deveria ter entendido

Vai mandar um arquivo para a gráfica? Enviar o logo para o designer? Ou vai “upar” uma imagem em um site?
Essas são perguntas que contextualizam a famosa dúvida que sempre surge entre nós, meros mortais: qual formato de arquivo devo usar?
Acalmem seus corações, pequenos padawans, vamos por partes:

Keep calm

Formatos de arquivo: um guia prático

  1. BMP (Bitmap)
    Formado por pequenos quadradinhos chamados de pixels, esse tipo de formato pode ser utilizado tanto para imagens quanto para gráficos.

    Um bitmap camarada bem aqui

    Mas olhe só, tudo pixel, pae

    No entanto, contenha sua emoção que a informação é pesada: quanto maior a resolução, maior a quantidade de pixels e, consequentemente, maior o tamanho do arquivo. Ou seja, infelizmente, a transferência de BMP pela internet é restrita.

  2. JPEG
    Antes de mais nada: JPG ou JPEG? Meus caros, o arquivo é o mesmo, uns ainda arriscam em dizer que JPEG tem sua origem em sistemas iOS e o JPG em Windows. Mas Para que o estresse se ambos funcionam da mesma forma, não é mesmo? Então, seguimos.
    O formato JPEG é bastante popular, chegando a ser padrão em redes sociais. A diferença entre essa extensão e o BMP é que, ao contrário do pesadão aí, o JPEG salva as imagens em blocos de pixels, ou seja, vários pixels combinados — e não pixel por pixel como o formato anterior. Isso facilita muito a compressão do arquivo, poupando no armazenamento e mantendo uma boa resolução da imagem.

    Sendo fabulous

    Superioridade do JPEG passando

    Porém, deve-se evitar salvar JPEG de um JPEG pois, a cada compressão, a perda de qualidade da imagem é inevitável.
    Além do seu uso em fotografias, esse formato é muito utilizado para impressão também mas, atente-se ao parágrafo anterior e utilize JPEG em alta resolução para esse fim, ok?

    Ok.

  3. GIF
    Quem nunca viu um GIF que atire a primeira pedra! Esse formato animador de JPEGs é de 8-bit — o que reduz a qualidade da imagem pela perda de cores — mas o que é uma perda de resolução perto de GIFs maravilhosos como esse:Catioro dando tchau
  4. PGN
    O PNG é o queridinho quando se pensa em imagens para a internet. Com formato de 24-bit, ele apresenta um arquivo de boa resolução suportando transparências e até mesmo animação, assim como o GIF.
    Vai utilizar ele para impressão? Claro que não! Apesar da qualidade, o PNG é um arquivo de web de 72ppi (Pixel Per Inch), para imprimir você deve, no mínimo, utilizar arquivos de 300dpi (Dot Per Inch). Imprimir PNG é cilada, bino!

    Eu já te avisei

    PNG em papelaria?

  5. Vetor

 

Meus caros, chegamos na realeza. Vetor não é formato de arquivo mas pode ser encontrado em extensões como EPS e SVG ou programas como Ai (Adobe Illustrator) ou CDR (CorelDraw).

Respondendo a uma das perguntas do início desse texto, vai enviar o logo em qual formato para o designer? Em vetor, vacilão! Nada de jpeg, word ou qualquer outro formato que não seja vetorizado, essas extensões comprometem seriamente a qualidade do arquivo final.

Conan não sabendo se conter

Quando o designer recebe o logo em vetor

O vetor é relacionado ao universo dos gráficos e é o “amorzinho” pois pode ser expandido e trabalhado de maneira ilimitada. Por ser feito de traços vetoriais que, na verdade são expressões matemáticas, esse formato permite alta resolução e uma gama enorme de possibilidades para manipulação sem distorções na qualidade — deixando os pixels no chinelo.

Esses, meus caríssimos, são os formatos que comumente encontramos pela web. A escolha do formato de arquivo depende extremamente da sua finalidade, então, antes de iniciar um projeto, defina se ele vai ser direcionado para web ou se vai ser impresso e, tenha isso sempre em mente até o momento que você for exporta-lo. Calma e cuidado nessa hora que tudo vai dar certo.
Para te ajudar mais ainda, clica aqui para saber sobre CMYK e RGB, os modos de cor que têm relação direta com a seleção do formato certo.
Até uma próxima!

Como as novas reações do Facebook funcionam e como podemos usar?

Semana passada, O Facebook anunciou oficialmente uma nova forma de representarmos nossas emoções mediante as postagens, chamadas de “Reações”.

A nova função é tipo como uma extensão do botão “curtir”. Agora, ao invés de apenas “curtir” a publicação, o usuário poderá: Amar, Haha, Wow, Triste e puto com Raiva.

Mas para que isso já? Como o diretor de design de produto do Facebook, Geoff Teehan, escreveu em um post no Medium nem tudo o que é partilhado é para ser apreciado. A morte do cachorro do seu amigo ou um artigo sobre um político desagradável não vai provocar uma emoção única em todos os usuários – então por que limitá-los a “curtir”, né?

O mesmo se aplica as marcas, veículos de mídia e grandes corporações na rede. Percebemos então, que o bicho pode pegar.

Agora que já tivemos algum tempo para reagir a esta nova funcionalidade, nós fizemos algumas reflexões sobre o impacto que essas novas opções possam ter, tanto para usuários quanto para marcas. Vamos lá.

Como funciona o novo recurso “reações” do Facebook

Vale lembrar que a função já está disponível para todos os usuários via desktop, e dependendo do sistema operacional, talvez no seu celular ainda não esteja disponível.

Para usar é bem simples. Em uma publicação, basta segurar o botão de “curtir” por alguns segundos até aparecer as novas opções.

O ato em si é simples, mas existem algumas nuances no recurso que podem ser muito relevantes para o seu negócio. Leia agora o que nós sabemos até o momento.

Reações são contadas como “curtidas” (por enquanto)

De acordo com o anúncio do Facebook, “se alguém usa uma reação, o Facebook vai inferir para que a pessoa veja mais desse tipo de post.” Em outras palavras, se você reagir a um post com o ícone “com raiva”, o algoritmo do Facebook vai tratá-lo como se fosse “curtir”. Já pensou uma timeline cheia de coisas que você não gostou?

E por que o algoritmo do Facebook trata uma reação irritada da mesma forma que eles contam uma reação positiva como um “curtir”ou um “amei”?
Um estudo realizado por Jonah Berger, autor de “Contagious: Why Things Catch On,” descobriu que o conteúdo que provoca uma reação irada nos leitores é 34% mais propenso a ficar no topo do New York Times “Mais compartilhados”, enquanto que as mensagens que deixam as pessoas ansiosas são 21% mais propensas a ficar nessa parte. Louco, né?

Em outras palavras, as pessoas querem ver tantos os posts que vai irritá-las, quanto posts que vai fazê-las felizes.

Facebook Insights ainda não mostra muita coisa

No entanto, você ainda não pode ver as tendências das “reações” na sua página de negócios. Então, se você é administrador da sua fanpage e quiser ver o número de pessoas que tenham reagido com um ícone “triste” em um post, por exemplo, terá que abrir a página Insights deste post diretamente.

Além disso, esse número não está dividido em orgânico contra pago, então você não pode ver quais reações podem ter influenciado a repercussão da sua publicação no momento que você impulsionou  em comparação com aqueles que você acumulou organicamente.

Para acessar o Facebook Insights em um post, basta clicar o número de alcance de qualquer post – o número de alcance situa-se acima dos botões de reação em um post, como mostrado abaixo:
post
Você será levado a uma tela que divide os números de cada reação no próprio post e as reações do post compartilhado em outras timelines. Até o momento, achei pouca informação que seja de grande valia para quem quer conhecer melhor que tipo de conteúdo exerce a reação esperada nos seus fãs.

Não tenho dúvidas de que, em breve, essa parte já estará bem mais amadurecida.

Mas afinal, o que as Reações do Facebook significam para os empreendedores?

A introdução das “Reações” mudou definitivamente o cenário do Facebook para marcas. Agora, os gestores e empreendedores que controlam as ações no canal estão armados com um conhecimento mais profundo sobre a forma como seu público interage com seu conteúdo – o que abre um mundo de teste e experimentação.

Agora você tem uma visão mais profunda sobre como seu público interage com o seu conteúdo.

O recurso Reações do Facebook dá aos gestores e empreendedores digitais um novo ciclo de feedback vindo de seu público. Os usuários que não se engajavam com a sua marca (ou por não gostar de você ou por simplesmente “curtir” não significar o que ele achava de suas publicações) são agora capazes de enviar sinais mais específicos sobre como o seu conteúdo os faz sentir.

Por enquanto é só. Mas e você,  já pensou em como usar o novo recurso do Facebook para obter melhores resultados de suas ações na rede? Se precisar de ajuda e quiser bater um papo com a gente entre em contato.

Até a próxima!

Diego Santos

Perfil no Facebook ou Fan Page – O que devo usar para meu negócio?

O Facebook lançou o recurso de Fan Pages em meados de 2007.

Desde então, ocorre muita confusão no que diz respeito à página adequada para as empresas.
Você provavelmente deve estar se perguntando: Será melhor promover minha marca através de uma Fan Page ou posso continuar usando o perfil?

Primeiramente, sei que pela afinidade com o uso do perfil você optaria por ele, e que provavelmente tem entre a sua rede de amigos algumas empresas.

Mas vamos lá tentar decifrar a importância de saber diferenciar a utilidade dos dois

  • Uma Fan Page, ou
  • Um perfil.

Para se promover no Facebook.

Infelizmente, muitas empresas optaram # 2 – um perfil =/

Na verdade, eu estou apostando que você – sim, você – têm pelo menos 5 a 10 Facebook “amigos” que são realmente as empresas, não pessoas.

Eu sei, eu também tenho.

Então, vamos tentar decifrar alguns mistérios aqui.

Se eu sou proprietário de uma empresa, o que devo usar – um perfil ou uma página?

Esperamos que a resposta a esta pergunta seja clara depois que você entenda os seguintes tópicos:

  • as diferenças entre perfis e páginas;
  • os Prós e contras do uso de cada para os negócios;
  • se você deve converter seu perfil para uma página;
  • como realmente convertê-lo;
  • como outros usuários do Facebook podem denunciar o seu perfil – se ele está sendo usado principalmente para negócios.

Então, vamos começar.

Perfil ou Fan Page: Qual é a diferença?

Para cada pessoa no Facebook – cada vida, respiração ser humano – é permitido ter um perfil.

Com um perfil você pode:

  • acessar a maior rede social na internet através de uma conta com informações de login;
  • ter um única “Timeline pessoal”;
  • gerenciar várias páginas, Apps, contas Ad etc. dentro do Facebook.

Seu perfil é uma espécie de passaporte web, é quem você é on-line … de acordo com o Facebook, pelo menos.

E é por esta razão que o Facebook permite que você só para ter um.

Veja como Facebook descreve as diferentes funções dos perfis e páginas:

Perfil Facebook:

  • Para uso pessoal e não-comercial;
  • Representa uma pessoa individual;
  • Pode ser seguido – para ver as atualizações públicas no News Feed

Páginas do Facebook:

  • Semelhante aos perfis, mas oferece ferramentas de análise e mensuração;
  • Gerida por administradores que têm perfis – Não existe login para a uma fanpage;
  • Os chamados insights ajudam os administradores a entender como as pessoas estão interagindo com a página;
  • Pode ser “curtida”, o que permite ao usuário visualizar as publicações da página em seu próprio feed de notícias.

perfi-fanpage

E aí, quais os prós e contras de cada uma?

Otimização:

Os perfis são otimizados para pessoas individuais para se conectar e interagir com amigos e seguidores
As páginas são otimizados para artistas, empresas e marcas para mostrar seu trabalho e interagir com os fãs

Conexões:

  • Os perfis podem ter um máximo de 5.000 amigos e um número ilimitado de seguidores;
  • As páginas podem ter um número ilimitado de fãs.

Mensagens:

  • Os perfis podem enviar mensagens privadas ilimitadas para “amigos”;
  • As páginas podem enviar mensagens privadas para os fãs – mas só depois do fã enviar a primeira mensagem.

Limites:

  • Os perfis são limitados a uma por pessoa;
  • Páginas são ilimitadas – você pode ser admin de quantas páginas como você quer.

Apps:

  • Perfis não podem usar aplicativos;
  • Páginas vêm pré-instaladas com funcionalidades personalizadas de acordo com sua categoria – os desenvolvedores também podem construir uma enorme variedade de aplicativos para administradores instalarem em suas páginas.

Captura de Lead:

  • Perfis não permitem que aplicativos para captura de leads;
  • Páginas permitem que você crie aplicativos personalizados para captar e-mails e usá-los fora do Facebook.

Check-ins:

  • Os perfis podem ser marcados (por amigos), mas não em check-in. Como as pessoas vão mostrar para os amigos que estão em sua empresa?
  • As páginas podem ser configuradas para (se uma empresa local) – alertar os amigos da pessoa que fez check-in onde ele está (seu local).

Anúncios do Facebook:

  • Os perfis não podem patrocinar de forma massiva suas publicações ;
  • As páginas podem publicar anúncios segmentados para obter o tráfego ao site, e-mails, curtidas, etc.

Publicar Programação:

  • Perfis não podem agendar posts (a menos que você está usando um aplicativo ou site externo como o Hootsuite, é claro);
  • As páginas podem agendar posts sem limites de quantidade e horários dentro do próprio Facebook.

Relatórios:

  • Perfis não têm acesso a estatísticas sobre mensagens, melhores posts, dados demográficos, alcance, etc;
  • As páginas têm acesso a uma enorme variedade de estatísticas para medir o sucesso das ações.

Resumindo, as Páginas no Facebook têm funcionalidades muito mais comerciais do que de os perfis. O que faz sentido, uma vez que o Facebook afirma explicitamente que perfis não devem ser utilizados “principalmente” para fins comerciais:

Dando uma rápida olhada nos Termos de Serviço da maior rede social deste lado do planeta:

  • 4.4 Você não usará sua linha do tempo pessoal para seu próprio ganho comercial. Para tais fins, use as Páginas do Facebook.

… se você é um artista, fotógrafo, freelancer, etc., então talvez o seu perfil esteja atendendo às suas necessidades comerciais muito bem.

Nesse caso, é um erro continuar usando o seu perfil para fins comerciais?

Em uma palavra, sim!

É um erro porque você está violando Termos de Serviço do Facebook – e, eventualmente, mais cedo ou mais tarde, você será expulso da rede.

Espero que você tenha conseguido visualizar as principais diferenças perfil no Facebook ou Fan Page. Se você tiver alguma dúvida, por favor, comente aí e vamos continuar a conversa.

Quer receber dicas como essa semanalmente no seu e-mail? Clique aqui.

Gestão de páginas no Facebook: o que NÃO FAZER

O Facebook anunciou recentemente um novo algoritmo que mede a quantidade de tempo que você gasta olhando para as coisas na rede (leia aqui em inglês), portanto, esse é um bom momento para reavaliar hábitos da sua própria empresa no Facebook.

Já sabemos sobre o risco de se perder navegando no  feed de notícias pessoal e como isso pode ser ruim para a produtividade, certo? Mas o que você pode não perceber são as formas que a SUA EMPRESA está desperdiçando tempo na rede. E para que isso não ocorra, uma gestão de páginas no Facebook profissional precisa entrar em cena.

Leia mais