Funil de vendas: aprenda a transformar visitantes em clientes

Olá, tudo bem?

O uso correto do funil de vendas é uma arma poderosa para conduzir seus clientes em potencial rumo ao objetivo mais importante de boa parte dos sites na internet: vender!

Você gostaria que seu site se transformasse em uma poderosa ferramenta de marketing, capaz de gerar lista de pessoas interessadas em seu negócio e que tudo isso gerasse impacto direto e significativo na sua empresa?

Eu tenho certeza que sim…

Como o funil de vendas pode me ajudar a transformar visitantes em clientes?

“Se você não dedicar atenção ao seu site, ele não vai gerar resultados, isso é um fato.”

  • Desenvolver um bom site com blog: R$ 3.000,00;
  • Hospedagem em um servidor de confiança: R$ 40,00 mensais (média);
  • Comprar de domínio seusite.com.br ( R$ 40,00 anuais);
  • Pagar equipe de fotografia e criar uma bela galeria de fotos no site: R$ 1.500 (média);
  • Revisor/redator com foco em web para deixar o texto do meu site/blog mais atraente: R$ 800,00 (média);
  • Não mensurar ou qualificar as visitas ao meu site: perigosíssimo!
  • Não ter noção nenhuma de quantos visitantes precisa ter para gerar uma venda: FATAL!

Existem grandes chances de que você esteja cometendo erros no seu site que estão impactando diretamente o faturamento da sua empresa. Por isso, é importante que você preste bem atenção, caso queira ter resultados de verdade com o sua presença digital.

Mas te calma. Neste artigo, você vai aprender de uma maneira simples e didática quais são os 3 ingredientes fundamentais para  transformar seu site em uma máquina de vendas.

O modelo que vou apresentar aqui é o mesmo que usamos em nossos projetos na Vindi, e você poderá aplicar na sua empresa imediatamente.

Basicamente, hoje falaremos sobre:

  • Jornada do cliente;
  • Passos para criação de um funil de vendas;
  • Como identificar oportunidades;
  • Download grátis do nosso modelo de Jornada do Cliente.

Para que possamos entender melhor como transformar visitantes em vendas, é preciso que tenhamos em mente que nem todo usuário na internet acorda cedo e diz:

“Nossa, que vontade de comprar um terreno, ou uma viagem para acapulco. Acho que vou entrar num site que eu nem conheço e fazer essa compra”

Seria lindo, mas o caso acima não é nada parecido com a realidade. Precisamos entender, educar e “dar o bote” no nosso cliente em potencial no momento certo, na hora certa, com o argumento certo. Como? Entender a jornada do cliente e compreender as etapas do funil de vendas já é um excelente começo: vamos lá?

 Afinal, o que é uma jornada do cliente?

 

Lembra que falamos sobre como seu cliente busca por você na internet?

A jornada do cliente é o processo que os compradores atravessam para tomar conhecimento, avaliar e comprar um novo produto ou serviço. A jornada pode ser entendida como um processo de quatro etapas:

  • Etapa 1 – Aprendizado e descoberta: Aqui o seu futuro cliente (oremos) ainda não sabe muito bem que tem um problema ou oportunidade de negócio. O objetivo nessa etapa é despertar o interesse dele por assuntos relacionados ao seu negócio;
  • Etapa 2 – Reconhecimento do problema: Nesta etapa o comprador percebe que tem um problema/oportunidade de negócio e começa a pesquisar em busca de solução;
  • Etapa 3 – Consideração da solução: Aqui o comprador já identificou e comparou algumas possíveis soluções para resolver seu problema e começa a avaliar as alternativas para solucioná-lo. Aconselho muito a adotar o senso de urgência nesta etapa. Caso contrário o comprador encerra sua jornada por aqui e fica com o pensando de “depois eu resolvo”.
  • Etapa 4 – Decisão de compra: A hora é essa! Ah, o momento da compra. Além de chamar atenção do comprador para “fale agora” ou “avalie grátis” etc. É importante nesta etapa ressaltar os diferenciais competitivos do seu produto/serviço.

Como você definir a jornada do cliente para sua empresa?

Se você não tem uma visão clara de quem são seus compradores, faça algumas entrevistas com atuais clientes para começar a dar ordem na sua jornada do cliente. Aqui estão algumas perguntas que você deve fazer antes de começar a montar a jornada para o seu negócio:

  • Quais são os objetivos e desafios de seus compradores? Como os compradores se educam sobre esses objetivos ou desafios?
  • O que os impede de alcança-los?
  • Quais critérios os compradores utilizam para avaliar as ofertas disponíveis?
  • Quando os compradores investigam sobre a oferta/produto da sua empresa, o que eles acham mais atraente em relação a alternativas?
  • Quem precisa estar envolvido na decisão? Para cada pessoa envolvida, como é que a sua perspectiva sobre a decisão é diferente?
  • Fora da compra, os compradores precisam fazer preparativos adicionais, como planos de implementação ou estratégias de treinamento?

O ideal é que as respostas para essas perguntas fiquem parecidas com isso aqui:

O caso acima é um exemplo de como organizar o conteúdo do seu site/blog para educar um visitante, afim de que se transforme em cliente. O produto, acredito eu, deva ser um dos dois softwares de gestão de projetos mencionados na etapa “Decisão de Compra”.

Égua, Diego! Bacana, agora eu já tô pronto para vender através de meu site, certo?

Não, te acalma.

Agora que já entendemos as etapas da jornada do cliente, vamos ver como encaixar tudo isso no funil de vendas.

Sobre o funil de vendas

O funil de vendas é o conjunto de etapas e gatilhos que visa dar suporte à jornada de compras do cliente de uma determinada organização.

Com um funil bem estruturado, será possível deixar todo o processo de venda previsível e escalável, facilitando assim a tomada de decisões relacionadas ao seu departamento de vendas/comercial.

Em empresas que trabalham com Inbound Marketing, o funil geralmente é compartilhado entre marketing e vendas, sendo cada uma das áreas responsáveis por etapas específicas.

Um funil precede uma jornada do cliente bem compreendida. A ideia é que ambos sejam usados em conjunto para gerar mais engajamento, relevância e, é claro, tráfego ao seu site.

Passo a passo para a construção do funil de vendas

Para você construir o seu próprio funil de vendas, recomendo o seguintes passos

1)  Mapeie a jornada do cliente.
O primeiro passo para a criação de um funil de vendas é a identificação da jornada do cliente relacionada às personas. Se viável, faça uma jornada para cada persona.

Conselho: converse com todas as pessoas que você considere clientes em potencial, marque um almoço, um happy hour e tente entender como sue negócio/serviço/produto poderia fazer diferença na vida dela.

2)  Defina os metas/marcos do processo de vendas.

  • Qual o momento que meu contato qualificado descobre que precisa de solução para o problema que estamos tentando resolver?
  • Ele consegue chegar até esse estágio sozinho?
  • Como podemos garantir que ele realmente atinja este estágio?

Parabéns! Agora você acabou de definir os marcos que serão implementados em sua jornada

3)  Defina as  etapas

Esta é a etapa que vai dar todo o suporte à jornada do cliente, entregando o valor necessário para que o potencial cliente avance. Sendo assim, temos essas 4 grande etapas:

Visitantes

É o primeiro estágio do funil e é caracterizado por ser bem heterogêneo, contendo desde curiosos até aqueles que já estão visitando a página de preços em busca de uma solução específica.

Nem todo mundo sabe o endereço de seu site, elas vêm de algum lugar. No Marketing Digital, chamamos esses outros lugares de de fontes de tráfego. Exemplos de fontes de atração de visitantes são mídias patrocinadas, busca orgânica e mídias sociais.

Aí vem o pulo do gato: transformar visitantes em contatos qualificados: o ideal nesta etapa é que seja ofertado ao visitante algum material rico (e-book, planilha, infográfico etc), disponibilizados em uma página com algum formulário para conversão.

Leads

Beleza, o visitante agora precisa fazer algo além de navegar no site para que possamos entender as dores e necessidades dele. É chegada a hora de gerar relacionamento com este contato qualificado (ou lead), com o objetivo de  conduzi-lo em direção ao fundo do funil (decisão de compra).

No inbound marketing, chamamos esse processo de nutrição de Leads e o fazemos, principalmente, através do envio automatizado de conteúdos direcionados aos interesses de cada Lead com a intenção de levá-lo ao próximo passo da sua jornada de compra.

Oportunidades

Quando o time de marketing sinaliza que os leads estão prontos para serem abordados, eles se tornam oportunidades para o time de vendas.

Ao Identificar através do relacionamento e perfil do lead que ele é uma oportunidade, deve ser realizado um contato em caráter consultivo, para avaliar o seu verdadeiro estágio no funil.

Ah, aproveite para tentar ajuda-lo a entender suas reais necessidades. Por exemplo: se ele disse que quer um carro novo, talvez ele queria trocar de carro, ou chegar mais rápido em casa.

Clientes

Ao realizar a primeira venda para sua oportunidade ela se torna um cliente. Sinal de que ao longo da jornada foram entendidas as principais “dores” do Lead e a solução apresentada agradou.

É altamente aconselhável que você não perca o contato com o cliente. Atividades de pós-venda e ofertas de upselling são sempre bem-vindas.

Esse deve ser um trabalho contínuo entre as áreas de vendas, sucesso do cliente e marketing.

E aí, pronto para por em prática? Como prometi, vou disponibilizar o modelo exatamente igual ao que usamos aqui na Vindi, ok?

 

 

Entendeu como deve ser estruturado o funil de vendas para converter visitantes de seu site em clientes?

Lembre-se que as análises precisam ser realizadas constantemente. Medir suas ações é o principal caminho para melhorar a cada dia.

Espero que não tenha ficado nenhuma dúvida, mas se tiver, por favor  escreva nos comentários!

 

4 dicas de marketing essenciais para pequenas empresas

O mundo dos negócios está cada vez mais exigente e competitivo. Por isso, sua empresa precisa se adaptar às rápidas transformações do mercado e investir em estratégias que permitam apresentar os produtos de forma inovadora e eficiente.

Nesse ponto, algumas dicas de marketing podem te ajudar, e muito! É possível implementar algumas ações para fortalecer o seu negócio a partir da aplicação de técnicas simples.

Ficou curioso? Confira neste post algumas dicas que preparamos especialmente para as pequenas empresas!

1. Conheça o seu cliente

Para começar a investir em técnicas de marketing, é necessário, antes de qualquer coisa, conhecer muito bem as especificidades de seus consumidores.

Seu negócio deve concentrar esforços para entender quais são os potenciais clientes e, a partir daí, realizar campanhas mais atraentes, feitas sob medida para aquele público específico.

Nesse sentido, desenvolva um “cliente ideal”, que você acha que seja capaz de reunir as principais características dos consumidores reais. Uma vez que ele for identificado, sua empresa poderá se concentrar em desenvolver campanhas específicas que gerarão maior reconhecimento, adesão e engajamento.

2. Conheça também o seu concorrente

Para se destacar no mercado, é necessário entender também como as outras empresas do mesmo ramo estão se posicionando.

A partir de pesquisas simples, realizadas, por exemplo, nos sites institucionais e nas redes sociais dos seus concorrentes, será possível avaliar as estratégias de venda e de atendimento para ver como eles se comportam e que novidades oferecem.

Assim, você poderá perceber falhas e vantagens das suas próprias estratégias, planejando correções e se antecipando ao mercado.

3. Invista em redes sociais

O mundo virtual vem influenciando cada vez mais a forma como os consumidores criam uma imagem sobre uma empresa. Por isso, investir nos perfis das redes sociais, marcando presença online, é fundamental!

Planeje bem a forma como você quer apresentar seu negócio ― um perfil mais sério ou descolado, por exemplo? ―, e tenha em mente que o diálogo com o cliente é o aspecto primordial.

No entanto, não implore por participação. Imagine se a todo momento você recebesse convites para curtir a página de uma empresa? Isso poderia gerar uma imagem altamente negativa e uma série de suspeitas, não é mesmo? A mesma regra vale para você!

Uma má resposta também pode se espalhar e gerar uma enxurrada de críticas. Veja o caso da companhia de aviação Ryanair, por exemplo: funcionários responderam de forma ofensiva a comentários negativos sobre a empresa, chamando o blogueiro inglês Jason Roe de “idiota e louco”. Vários clientes ficaram indignados com a atitude e exigiram desculpas por parte da Ryanair, que teve sua reputação bastante abalada pelo episódio.

De maneira contrária, diálogos criativos e eficientes podem alavancar a imagem da sua empresa e gerar engajamento e confiança por parte dos consumidores.

4. Calcule o retorno do marketing

O planejamento, você sabe, é um aspecto decisivo para qualquer negócio. Por isso, calcular o retorno gerado pelas ações de marketing também é muito importante.

Antes de uma ação, estabeleça de forma clara o público e o efeito esperado. Após a concretização dessa ação, organize uma planilha com os resultados efetivos e compare a expectativa e a realidade. Isso te ajudará nas ações futuras, bem como permitirá calcular o impacto na divulgação da marca.

Como você pode perceber, pequenas atitudes podem te ajudar a fortalecer a imagem da empresa e posicioná-la no mercado com sucesso. Por isso, é fundamental traçar planos para a valorização da sua marca, a venda sustentável e a criação de engajamento do público.

Gostou das nossas dicas de marketing para pequenas empresas? Comente no post como você pretende executá-las no seu negócio!

 

E que tal passar um Raio-X no Marketing Digital do seu negócio? Experimente nossa ferramenta GRATUITA.

Raio X do Marketing Digital

 

Estamos fechando!

Você já percebeu que o assunto é sério. Estamos falando sobre fechar as portas

Se você ainda não entendeu, dá uma olhada no seu calendário

E aí, já viu né? É 1° de Abril, o famoso dia da mentira 😉

Relaxa que isso está longe de ser um anúncio de falecimento.

Mas falando nisso, é preocupante o número crescente de empresas que estão fechando as portas. Será que você tem se preocupado com os fatores que podem afetar negativamente o seu negócio? O assunto merece a nossa atenção, principalmente com o atual cenário econômico do país.

De acordo com o IBGE, a cada dez empresas, seis não sobrevivem após cinco anos de atividade. Vamos falar sobre a taxa de mortalidade dos negócios.

É meus amigos, a regra é falir!

(mas dessa regra devemos manter distância)

 

VAMOS AOS MOTIVOS…

Mas por que tantas empresas fecham as portas? Os motivos são inúmeros e variam de acordo com diversos fatores, vou pontuar para você alguns dos principais motivos

 

Ideia é diferente de oportunidade

Atrás de uma oportunidade tem sempre uma ideia, mas nem toda ideia é necessariamente uma boa oportunidade

Pera, o que?

Vamos as diferenças

Uma ideia em si é estática e não possui valor em termos práticos, já uma oportunidade de mercado gera valor para o cliente, isso significa resolver um problema ou atender uma necessidade a qual ele está disposto a pagar. Isso gera a viabilização do negócio. Então uma das primeiras perguntas que o empreendedor deve fazer ao abrir uma empresa é: será que a minha ideia realmente atende uma real necessidade do mercado?

Confundir ideia com oportunidade é uma das grandes causas do insucesso. Para abrir um negócio, uma ideia deve encontrar-se com uma necessidade de consumo e um mercado disposto a comprar essa ideia. O empreendedor que conseguir visualizar e desenvolver estratégias para a sua ideia está preparando um terreno fértil para uma oportunidade, e nesse ponto uma visão diferenciada é indispensável.

Para saber mais sobre o assunto e garantir maior segurança na hora de colocar em prática a sua ideia acesse este link.

E não esqueça, a diferença entre ideia e oportunidade é a viabilidade!

 

Foco no plano de negócios

Ter uma ideia que possui relevância para os consumidores é incrível e digna de um visionário, mas o que deve ser feito a partir daí?

Qualquer atividade desempenhada sem um planejamento prévio estará à mercê do acaso, e se caso der certo é sorte. Mas no mundo empresarial contar com a sorte é um risco que não vale a pena.

Para introduzir de fato uma empresa no mercado é preciso saber de que forma esse produto ou serviço deve ser inserido, e elaborar um bom plano de negócios é essencial nesta etapa, assim é possível garantir um planejamento a longo prazo.

Um plano de negócios contém os objetivos empresariais e a descrição dos passos que devem ser dados para alcançar esses objetivos, permitindo assim minimizar os efeitos de ameaças do ambiente empresarial, facilitando a análise do cenário interno e externo do mercado.

É necessário criar cenários pessimistas, otimistas e realistas para que seja possível tomar decisões futuras com precisão e eficácia.

E para dar a devida importância ao assunto, separei outra matéria sobre planejamento estratégico para você, é só clicar aqui.

 

Estudar o mercado

É necessário conhecer o ambiente em que se deseja atuar! Qual é o segmento do negócio? Quais são as tendências nesta área? Como o público deste segmento se comporta? E a concorrência? Estas perguntas devem ser respondidas através de análises profundas e fundamentadas.

Engana-se quem acha que o mercado só se estuda uma vez. Manter-se atualizado é uma das chaves para o sucesso, afinal, a sociedade e a cultura são dinâmicas, e os consumidores precisam ser constantemente desvendados.

Muitos empreendedores desejam iniciar suas atividades sem conhecer o seu ramo, seus fornecedores, ou até mesmo quanto capital vão precisar para garantir o futuro do negócio, esses empresários estão colocando em risco o sucesso da sua empresa ao entrar “às cegas” em um ambiente de consumo.

Uma das ferramentas que pode ajudar a compreender as particularidades do mundo dos negócios a pesquisa de mercado. Ela possibilida o levantamento de questões importantes sobre o mercado e oferece uma visão mais ampla dos próximos passos que precisam ser dados para o desenvolvimento do negócio.

Para saber mais sobre este assunto, clique aqui.

Buscar novas possibilidades, adaptar-se as tendências do mundo do consumo é garantir espaço no mercado!

 

Como anda o seu comportamento empreendedor?

Outro ponto chave para uma gestão saudável e eficiente é o comportamento empreendedor. Possuir uma visão estratégica envolve a capacidade de analisar os processos de forma diferenciada, antecipando tendências e demandas e estabelecendo metas e objetivos a realidade do negócio.

Possuir uma empresa é assumir um compromisso pessoal e profissional, colaborando com os funcionários através de uma postura de liderança. Até por que um verdadeiro empreendedor não gerencia uma empresa de forma unilateral: saber ouvir e compreender a sua equipe é tão importante quanto conhecer o seu cliente.

Para saber mais especificamente sobre este tema importantíssimo, assista a nossa série de vídeos sobre características empreendedoras:

“O sucesso é a soma de pequenos esforços repetidos dia após dia” – Robert Collier

Você não precisa fazer parte das estatísticas

Apresentei a você um cenário que tende ao fracasso para a grande parte das empresas e motivos que as levam a essa situação. Lembra que eu disse que a regra é falir? Sim, é verdade, mas nós dois sabemos que você não precisa fazer parte das estatísticas.

Por isso, desenvolver uma visão crítica sobre os processos mercadológicos é importante. Mantenha-se atualizado, o ato de empreender é uma incessante procura por novas perspectivas e possibilidades, isso pode garantir a saúde do seu negócio.

Neste mês a Vindi está comemorando 5 anos no mercado! É com muito orgulho que podemos dizer que superamos aquela estatística do IBGE que apresentei no início da nossa conversa, mas o nosso trabalho não para por aqui, muito pelo contrário. Somos apaixonados pelo o que fazemos e por buscar sempre novos caminhos e olhares para o nosso negócio. Nos reinventar é o nosso negócio, esperamos que seja o seu também.

 

Seu cliente na internet: entenda como ele busca por você

Olá, tudo bem?

O consumidor na internet é muito exigente: faz pesquisas, avalia, compara e, se tudo der certo, ele efetua a compra. Pensar no cliente moderno e não buscar ajuda da internet para entende-lo é suicídio empresarial.

O assunto que trago para iniciarmos nossa conversa hoje é fruto de uma conversa muito legal que tive ao final do nosso curso Marketing Digital Para Não Marqueteiros, realizado em janeiro de 2017.

Como eu consigo saber a forma que meu cliente procura pela minha empresa na internet?

Bom, essa é uma pergunta muito complicada. Mas antes de responde-la, preciso explicar melhor o teor da pergunta que me fizeram.

Durante o curso, levantei pontos importantes sobre o básico que você precisa saber para iniciar uma campanha de marketing digital com foco em resultados.

Falamos sobre as principais plataformas de e-mail marketing, redes sociais, ferramentas e dicas de ouro para não errar feio e expor sua marca de forma negativa na internet.

E para isso, você precisa definir bem a sua persona. Você sabe o que é? Clicando aqui eu explico de forma bem rápida qual a sua importância.

Com uma persona bem elaborada, você fica livre e seguro para desenvolver a jornada de compra. Falaremos sobre isso em breve!

Mas uma coisa é certa, jovem. Você DEVE entender como seu público usa a internet para buscar assuntos relacionados ao seu mercado. Duvida?

  • Para começar, quando você sabe o que as pessoas digitam nas buscas e encontram a sua empresa, você tem a oportunidade de ser mais assertivo nas suas estratégias e focar em reforçar esses termos em seu site, redes sociais, blog etc.
  • Também é muito útil para encontrar novas oportunidades e quem sabe até começar a usar canais que você não acreditava que trariam visitas ao seu site.

Então aqui estão 5 formas de descobrir como os seus clientes estão achando você

 

  1. Lembre-se de perguntar

A maioria dos clientes, especialmente os mais felizes, estão dispostos a deixar você saber como eles chegaram em seu site ou em sua loja.

Peça esta informação das seguintes formas:

  • Incentive os funcionários a perguntar quando interagem com os clientes face-a-face; (ex:”Olá, como você conheceu a nossa empresa?”)
  • Dê às pessoas a opção de dizer onde descobriram sobre sua empresa ao fazer uma compra ou se inscrever para um evento on-line.
  • Crie uma pesquisa on-line; Envie-a para novos assinantes de e-mail ou a compartilhe com o público que acessa suas mídias sociais.

 

  1. Use a pesquisa

Comece pesquisando o nome da sua empresa em um mecanismo de pesquisa como o Google ou o Bing para ver como estão sendo exibidas as as informações sobre sua empresa.

 

Provavelmente você verá algo como:

  • Seu site / blog;
  • Página do Facebook;
  • Outras redes sociais;
  • Avaliações sobre você em sites como Reclame Aqui ou Trip Advisor;

 

Em seguida, experimente termos de pesquisa que você acha capazes de levar as pessoas para o seu negócio.

 

Para um restaurante, você pode querer tentar termos de pesquisa como estes:

  • Restaurantes em [sua cidade]
  • [Tipo de cozinha] em [sua cidade]
  • Lugares para comer em [sua cidade]

Ou para uma mecânica/concessionária, seus termos da busca poderiam olhar como este:

  • Mecânica em [sua cidade]
  • Loja de carros em [sua cidade]
  • Onde consertar meu carro em [sua cidade]
  • Onde obter [reparação particular / serviço] em [sua cidade]

Faça uma lista de todos os lugares onde sua empresa está aparecendo. Também não se esqueça de tomar nota de lugares onde o seu negócio não está listado, mas você acha que deveria estar.

Em seguida, você pode fazer planos para ter suas informações comerciais publicadas nesses sites.

  1. Configure o seu Google Analytics

Com o Google Analytics, você não pode apenas ver quais páginas do seu site estão gerando mais tráfego, mas também pode ver de onde o tráfego está vindo.

Imagem acima mostra quais página foram mais acessadas no site www.vindi2i.com.br

Imagem acima mostra quais sites geram mais visitas ao endereço www.vindi2i.com.br

 

As pessoas estão encontrando você através de mecanismos de pesquisa como o Google? Sites como o Facebook ou o Twitter conduzem visitas ao seu site?

Você também pode ver quais dispositivos seu público está usando para acessar seu site. Esta é uma boa maneira de ver o impacto do celular nos visitantes do seu site.

Com ajuda de outra ferramenta Google, o Webmaster Tools, é possível saber quais as principais palavras-chave trouxeram visitas ao seu site. Ex:

 

Além do conhecimento sobre como as pessoas estão acessando seu site, o Google Analytics também mostra o tempo que as pessoas gastam em cada página. Esta é uma informação valiosa para te ajudar a descobrir como as pessoas estão encontrando e que recursos estão usando ao pesquisar termos relacionados ao seu negócio.

  1. Mantenha o controle sobre sua audiência

Embora nem todas as pessoas que visitam sua página do Facebook ou vejam você no Instagram se tornem fãs ou seguidores, acompanhar as reações de seu público fornece uma visão sobre quais plataformas oferecem a maior oportunidade para seu negócio.

Veja como o público nas redes sociais se relaciona com suas ações. Se um pedaço particular de conteúdo está sendo compartilhado e resultando em um pico de novos fãs, você pode incorporar conteúdo semelhante em sua estratégia de publicações no futuro.

Fuja do: “Esta publicação está ótima, gerou X curtidas”. Avalie qual impacto real suas postagens geram quanto engajamento (comentários, compartilhamentos etc.) e como isso te ajudou a gerar mais visitas ao seu site.

 

  1. Acompanhe o crescimento da sua lista de e-mails

Se você fizer uso de plataformas como a RD Station ou o Lead Lovers, é super simples saber qual e onde seus formulários mais convertem.

Isso permite acompanhar o crescimento da sua lista de e-mails on-line. Essas pessoas que convertem em seus formulários não estão apenas encontrando seu negócio, estão dando o próximo passo para permanecerem conectados.

É importante facilitar o máximo possível para as pessoas se inscreverem e acelerar o crescimento da sua lista. Dar atenção a este detalhe pode levá-lo um passo mais perto de atrair o seu próximo grande cliente.

Mais recursos para ajudar você a se descobrir online

Tente simular quais termos seu cliente usaria na busca. Para te ajudar a criar uma lista com palavras-chave, experimente os seguintes sites:

 

Aqui estão mais recursos para você começar a avaliar o seu marketing digital:

Raio X do marketing digital

Agência de Marketing Digital, freelancer ou equipe interna: qual contratar?

Investir na internet para expandir os negócios é quase que obrigatório atualmente. Mas de que forma você deve fazer isso? Contratando uma agência de marketing digital, freelancers ou montando uma equipe interna?

Neste texto, vamos falar um pouco sobre a realidade de cada uma dessas opções para que você faça a melhor escolha para o seu negócio. Continue a leitura e tome a sua decisão!

Entrando no marketing digital

Até mesmo empresas que contam com um setor de marketing tradicional têm problemas para entrar no mundo do marketing digital. Isso acontece porque esse novo modelo de marketing, que surgiu com o avanço da tecnologia, exige conhecimentos cada vez mais específicos sobre plataformas digitais.

Configurar anúncios para o Facebook ou o Google, produzir textos que sejam bem avaliados pelos mecanismos de busca e saber lidar com o público em tempo real nas redes sociais são algumas das dificuldades mais comuns que empresas despreparadas para o marketing digital enfrentam no momento. 

Mas então, qual é a melhor saída para isso?

Equipe interna

Montar uma equipe interna é uma ótima opção, mas apenas para quem tem muito tempo e dinheiro à disposição. Já imaginou quanto tempo você precisaria esperar para conseguir contratar todos os profissionais necessários para que as estratégias de marketing digital começassem a rodar? 

Seria preciso meses de entrevistas, com propostas e contrapropostas salariais, até que uma equipe mínima fosse montada. Depois disso, entrariam os materiais – que podem custar um pouco caro, dependendo do tipo de trabalho a ser feito, como é o caso da edição de vídeos e imagens. 

Se você não tem recursos de sobra e não pode se dar ao luxo de esperar alguns meses para começar uma estratégia que ainda levará algum tempo para surtir efeito, criar uma equipe não é a melhor opção.

Freelancers

Freelancers geralmente são uma boa opção para quem já entende das estratégias de marketing digital e precisa de pessoas-chave para executar algum tipo de trabalho, como um programador para criar um site, por exemplo. 

Em alguns casos, também é possível contar com a ajuda de consultores que vão guiar toda a parte estratégica do marketing. Mas ainda assim, você precisará contratar outros freelancers para executá-la ou uma pequena equipe para dar conta do recado. 

O problema é que nem sempre as agendas e prazos dos freelancers que você contratar serão inteiramente compatíveis com as suas necessidades — sem contar os problemas de comunicação entre todos os membros de um mesmo projeto.

Essa ainda é uma boa opção, mas são poucas as empresas que conseguem aproveitar bem as circunstâncias desse tipo de parceria. 

Agência de marketing digital

O maior problema que você pode ter com uma agência de marketing digital é contratar a agência errada, mas isso também vale para as opções anteriores. 

Ao contratar a agência certa, você dificilmente terá problema com prazos, pode solicitar um suporte personalizado e não se preocupará com as férias de um determinado membro da equipe, visto que a agência sempre terá alguém para dar continuidade aos afazeres.

A comunicação entre todos os envolvidos no projeto também não será mais um problema. Basicamente, é como se você tivesse uma equipe que trabalha fora da sua empresa. 
 
Entre contratar uma agência e montar o seu próprio time, pode ter certeza que os gastos com a agência são bem menores, sem contar o tempo que você poupará por não ter que procurar por todos os profissionais necessários para o seu time.

Como já dissemos, o maior problema que você pode ter com uma agência é escolher a agência errada.

Vale lembrar que os tipos de trabalho que uma agência faz para você mudam de acordo com o pacote que você contratar. Então, é sempre bom ter isso em mente para evitar a contratação de pacotes desnecessários ou que não atendam às suas necessidades.  

Se você tem interesse em saber como sua empresa pode ter melhor desempenho com a ajuda do marketing digital, converse com a gente sem compromissos. O sucesso da sua estratégia de marketing pode estar a apenas alguns cliques de distância!

Devo contratar uma agência de marketing digital?

Olá, tudo bem?

Hoje vou buscar responder a uma pergunta que fizeram logo após meu workshop sobre marketing digital no PCT Guamá (Parque de Ciência e Tecnologia).

O que é melhor? Devo contratar uma agência de marketing digital ou monto uma equipe interna para isso?

Bom, como a resposta foi bem longa, achei que seria legal trazer essa conversa para público, espero que te ajude, mas primeiro vamos deixar algo bem claro!

O que é Marketing Digital?

agência de marketing digital

Qualquer pessoa com acesso a internet pode ir além e descobrir a definição exata de marketing digital, você pode encontrar vários.

De acordo com a Wikipedia, o marketing digital é:

“Um termo genérico para a comercialização de produtos ou serviços que utilizam tecnologias digitais, principalmente na Internet, mas também inclui telefones celulares, publicidade gráfica e qualquer outro meio digital.”

Uma de nossas definições favoritas vem de Lee Oden do Blog de Marketing  TopRank, que define marketing digital como:

“Um termo usado para descrever os serviços integrados de marketing utilizados para atrair, envolver e converter clientes on-line através da utilização de múltiplos canais”.

Eu gosto muito do que Claudio Torres, no Livro “A Bíblia do Marketing Digital” diz:

“Quando falamos de marketing digital e internet estamos falando de pessoas, suas histórias e seus desejos. Estamos falando sobre relacionamento e necessidades a serem atendidas”.

É comum pensar que, quando o assunto é internet e marketing juntos, estamos falando em algo incrivelmente novo quanto ao comportamento do consumidor. Mais comum ainda é focar na tecnologia como solução, não como facilitadora, como um recurso a ser usado.

Está aí o problema, marketing digital é, como disse Torres, sobre pessoas (que usam a internet).

E o que é possível fazer com Marketing Digital?

Com base nas definições acima, podemos definir o marketing digital da seguinte forma:

Uma solução de marketing que envolve a promoção de uma marca através de vários meios digitais (ou eletrônicos) usados para atrair e converter clientes.

Marketing digital pode ser decupado nas seguintes soluções:

  • Marketing de Conteúdo;
  • Otimização de sites para mecanismos de busca (SEO);
  • Video Marketing;
  • Marketing para dispositivos móveis;
  • Anúncios online (PPC);
  • E-mail Marketing;
  • Marketing em mídias sociais;

A explicação sobre cada um desses “braços” do marketing digital deixarei para depois. Por hora, é importante saber que existe muito mais no mundo do marketing digital do que apenas um bom post no Facebook ou criar site pelo Wix.

Afinal, Diego. Devo terceirizar ou não?

Bom, para responder sem muita enrolação vou chamar Bill

frase-bill-gates

“Se o seu negócio não está na Internet, então o seu negócio estará fora do negócio.” (Bill Gates)

Você acredita que quase 50% das pequenas empresas não estão online? Isto é, elas não têm uma presença on-line nem um site.

Das empresas que atualmente estão usando o marketing digital, mais da metade não tem estratégia ou plano, enquanto 63% não têm sistemas em vigor para analisar seus dados de marketing on-line.

Pense nisso por um segundo. Como essas empresas estão medindo o sucesso? Sem um planejamento (on ou offline) você nunca saberá se o seu marketing é um centro de custo ou de investimento.

Eu apostaria que, dessa forma, sempre será um centro de custo.

Mas não tema, se você chegou até aqui é por que já pensa em profissionalizar a sua presença online.

 

Ah, falando nisso, você já passou o Raio X do Marketing Digital? Aproveite que essa nossa ferramenta é de graça. Clique aqui.

E se eu montar uma equipe interna só para o marketing digital?

Agora vamos falar das vantagens de fazer você mesmo o marketing digital da sua empresa. Uma coisa é certa, ninguém entende melhor sobre a sua empresa do que você mesmo. E ter um time fisicamente mais perto pode tornar a comunicação menos ruidosa.

Ao investir em uma equipe interna para a gestão estratégica da presença digital da sua empresa, você terá um ou mais profissionais de marketing pensando fulltime em seu negócio, assim sua empresa pode ter uma boa cobertura de monitoramento de menções e mensagens sobre sua marca.

Mais produtividade

Com uma equipe interna ajudará acelerar o processo de produção das ações, como geração de conteúdo rico (ebook, slideshare, checklist, planilhas para download etc) aumentando a produtividade. Mas vale lembrar que a produção desse tipo de material envolve muita pesquisa e análise de viabilidade.

Então, por que exatamente você deve usar uma agência de marketing digital?

Eu me sentiria mais confortável em conversar sobre isso com você ao vivo, quem sabe até tomando uma cerveja, talvez no nosso próximo encontro, mas por enquanto continue a leitura 😉

Uma agência de marketing na Internet pode:

 

  1. Assumir o seu marketing on-line

Ao delegar suas metas, objetivos e necessidades online para uma agência, ela irá avaliar e auditar a sua marca para desenvolver um plano estratégico abrangente visando maximizar seus lucros. Uma agência consegue isso identificando a sua buyer persona, ou público-alvo, e analisando a jornada de compra do seu cliente.

Ao compreender a jornada de compras on-line de seus clientes, a empresa é mais capaz de entender como implementar uma estratégia que irá resolver as “dores” de seus clientes ideais, atendendo assim às suas necessidades.

 

  1. Continuamente trabalhar para aumentar o seu ROI (Return on Investment)

Uma empresa de marketing on-line irá trabalhar regularmente para melhorar sua estratégia (1) analisando o que funciona ou não, e (2) testando novas maneiras de melhorar seu ROI. Este processo também envolve a identificação dos melhores meios para se concentrar em obter mais clientes para o seu negócio.

COMO?

Trabalhando sempre para aumentar seu ROI através de uma combinação de várias soluções digitais, uma agência pode trazer mais tráfego para seu site e gerar mais leads de qualidade para o seu negócio.

E como você sabe, muitos desses visitantes do site e leads on-line podem ser responsáveis por levar a um aumento nas vendas ao se tornarem clientes de fato.

Aqui na Vindi, por exemplo, usamos várias ferramentas para gerir, nutrir e se relacionar com os contatos qualificados de nossos clientes; facilitando a mensuração dos resultados e ganhando tempo para focar em estratégias mais eficazes

 

  1. Desenvolver e melhorar a sua presença on-line

A melhoria da sua presença online é alcançada através de criação de conteúdo direcionado visando estabelecer sua empresa como uma autoridade em seu nicho. Isto é conseguido através de uma estratégia de conteúdo orientada para o cliente, visando para aumentar a sua consciência de marca através da web.

Todos os nossos clientes recebem mensalmente um link para um calendário de ações que serão executadas nos canais digitais. Postagens em blogs, produção de e-books, envios de e-mail marketing etc.

Tudo concentrando em uma planilha para que toda a equipe acompanhe a entrega das publicações e não haja ruído de comunicação.

 

Como selecionar a Agência certa para o seu negócio

Ao procurar a agência de marketing digital ideal, você deve ser tão rigoroso quanto é com seu processo seletivo de equipe interna.

Recomendo que faça um apanhado da atual situação da sua empresa no mundo digital (é por isso que aconselhei a usar o Raio X do Marketing Digital, lembra?).

Feito isso, faça uma pesquisa na internet sobre as agências que trabalham com marketing digital, e veja quais fazem um serviço que esteja mais alinhado com suas estratégias e ambições.

Durante sua pesquisa, mantenha as seguintes perguntas em mente:

  • Os donos da empresa conhecem o meu nicho?
  • Quem são seus clientes? (Indústrias, tamanho da empresa, receita anual, etc.)
  • Que serviços eles oferecem? Você pode pagá-los?
  • Existe alguma prova do seu sucesso com empresas como a sua, ou seja, estudos de caso.
  • A empresa possui uma equipe de especialistas qualificados? (SEO, mídia social, gerenciamento de conteúdo, PPC)
  • Há quanto tempo a empresa faz esse serviço?
  • Eles têm uma presença significativa on-line?
  • Há depoimentos em seu site?
  • Existe algum comentário negativo sobre eles no Google?

Dica extra: Reserve um tempo para conhecer seus futuros parceiros mais de perto (deixe que paguem um jantar ou almoço para você). Peça para conhecer os membros da equipe, observe a cultura da empresa e conheça seus processos estratégicos.

Contar com uma empresa de marketing digital é um investimento significativo que irá render ótimos benefícios.

Mas seja qual for a sua escolha, tenha em mente que esta é uma área do marketing em constante evolução. Procure manter-se atualizado e ciente de que suas ações estão sendo minuciosamente avaliadas.

Um abraço,

Estágio em marketing digital

Olá, tudo bem?

Vamos aproveitar que os Los Hermanos tinham razão e trabalhar juntos?

Estamos precisando de um(a) valente aspirante a ninja para estágio em Marketing Digital. Esta pode ser a sua chance.

Estamos abrindo hoje (02/03) o processo seletivo para uma vaga de estágio. Dá só uma olhada:

Estágio em Marketing Digital

 

* Cursando até o quinto semestre, preferencialmente dos cursos de “Jornalismo”, “Marketing” ou “Publicidade e Propaganda”.


Descrição sumária:

Atuar no setor de redação, com levantamento de pautas, redação, edição, revisão e finalização de matérias. Realizar a redação de textos curtos, criativos e objetivos. Colaborar com brainstorms, pesquisar conteúdo na internet.

O novo vindiano(a)  atuará na produção de conteúdo em texto para blogs corporativos de projetos da agência e de parceiros, além da produção de conteúdo, ter conhecimento em otimização de conteúdos para mecanismos de busca é um diferencial. Preparado? 


Descrição detalhada de atividades:

  • Auxiliar na produção de publicações nos meios digitais (blogs, redes sociais etc);
  • Monitorar mensagens de internautas e comentários na rede (SAC 2.0);
  • Auxiliar no crescimento e manutenção dos canais de redes sociais dos clientes Vindi ;
  • Dar suporte quanto a elaboração de estratégias de marketing digital;
  • Revisão de textos, e-book, slides e afins;
  • Levantar pautas para produção de vídeos;
  • Produção de calendário editorial para a Vindi e seus clientes. 


Desafios e premissas:

  • Pensar fora da caixa;
  • Carga horária: 4h (na teoria rsrs);
  • Preferência de turno: manhã;
  • Bom em resolver problemas;
  • Saber trabalhar em equipe;
  • Ser curioso e ávido por conhecimento;
  • Questionar sempre o status quo;
  • Atualizar-se e estudar constantemente;
  • Realizar observações, insights, detectar expectativas e necessidades dos clientes/mercado e propor soluções inovadoras (estruturantes e de alto impacto);
  • Ser ótimo em cumprir prazos, ser flexível, rápido, divertido e focado;


A Vindi oferece:

  • Remuneração: R$400,00/mês nos primeiros 03 meses de experiência;
  • Auxílio transporte;
  • Seguro contra acidentes no trabalho;
  • Fomento à cursos de capacitação;
  • Possibilidade de ganhos variáveis através de seus resultados;
  • Conhecer o dia a dia do mundo do empreendedorismo e da inovação na Amazônia;
  • Um ambiente de trabalho divertido, amigável, ético e profissional;
  • Conhecimento novo, todo dia e sempre! 

 
Estou interessado. E agora? 

  • Envie seu currículo e portfólio para o e-mail “diego@vindi2i.com.br” com o assunto exatamente desta forma: “Vaga de estágio em Marketing Digital”.;
  • O não cumprimento das diretrizes acima invalidará a sua candidatura (atenção!);

Paralelo a tudo isso, aconselhamos ainda que o candidato:

 

  1. Não use Comic Sans;
  2. Possua algum conhecimento em otimização de conteúdo para mecanismos de busca;
  3. Tenha criatividade para propor um trocadilho aleatório por dia em conversas informais após o horário do almoço;
  4. Já tenha mitado alguma vez na vida;

Ah, e antes de se candidatar, tenha em mente que você será levemente encorajad@ à:

  • Preparar o café (quando estiver na base);
  • Ouvir piadas que, constantemente, podem não ter graça nenhuma;
  • Deletar a fonte Comics Sans do seu computador.

 

Mais detalhes baixe aqui as informações oficiais (e não zoeiras) sobre a vaga.

 

O deadline para o envio dos currículos: 07/03. Então te apressa, maninh@!

 

O que Steve Jobs nos ensina sobre marketing

Nem só de boas apresentações e smartphones vivia o gênio da Apple. Veja agora as lições de marketing que aprendi com Steve Jobs.

“Essa aqui é para os malucos. Aos que não se encaixam. Aos rebeldes. Aos que causam problemas, aos que fogem do padrão. Aqueles que veem as coisas de maneira diferente, não gostam de regras e não têm nenhum respeito pela ordem estabelecida. Você pode citá-los, discordar deles, glorificar ou vilanizá-los. Praticamente a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam coisas. Empurram a raça humana adiante. Alguns podem considerá-los doidos. Nós enxergamos genialidade. Porque as pessoas loucas o bastante para achar que podem mudar o mundo são as pessoas que o fazem”

Texto da campanha publicitária da Apple “Think different” (“pense diferente”), de 1997.

O cara era f$#@%a. Isso ninguém pode negar.

Steve Jobs não só representava uma marca, mas na verdade uma geração de usuários que seguem os passos de sua criatividade.

O impacto que Jobs teve na vida de todos nós não pode ser superestimado.

Embora você não esteja ciente disso, suas inovações afetaram tudo ao seu redor, desde filmes até computadores, música e telefones celulares.

Jobs deixou fisicamente este planeta em 2011, já estamos em 2017 e ainda é muito normal vermos pessoas perguntando: “Por que a Apple é uma marca tão bem sucedida?”. Para responder a essa pergunta, devemos lembrar algumas citações de Steve Jobs quando ele era apenas um jovem visionário:

“Marketing é sobre valores. É um mundo complicado e barulhento, e nós não estamos dando a chance para que as pessoas lembrem muito de nós. Nenhuma empresa está. Portanto, temos de ser realmente claros sobre o que queremos que eles saibam sobre nós.”

E, meu amigo(a), ele não estava errado! A chave para o sucesso de Jobs é uma combinação de qualidade, inovação e estratégias de mercado que foram projetados com muito cuidado. Steve Jobs e seu time era tão eficaz que a Apple conseguiu reinventar produtos que já estavam disponíveis no mercado, e levou os consumidores a pensar que nunca tinham visto nada como aquilo antes.

O ex-CEO não só reinventou a Apple, mas redesenhou e comercializou milhares de produtos que já estavam no mercado (por exemplo, leitores de mp3). Ele foi tão brilhante, que mesmo após ser demitido de seu cargo de CEO, foi chamado de volta e, claro, conseguiu aumentar as vendas no universo da “maçã mordida”.

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 1: FAÇA UM GRANDE PRODUTO

Poucos empresários conseguiram realizar o que Jobs fez: criar um produto excelente. De seu desempenho à ergonomia, ao projeto à caixa bonita; quando você compra um produto da Apple você sabe o que esperar. Para Jobs (e milhares em sua equipe, é claro! Afinal, Roma não foi construída em um dia, ou sozinha!): qualidade do produto vem em primeiro lugar e não apenas um grande empacotamento e excelentes estratégias de marketing. A chave é que o produto é excelente. Em suas próprias palavras:

“Não se trata de cultura pop, não se trata de enganar as pessoas, não se trata de convencer as pessoas de que querem algo que não sabem. Descobrimos o que queremos. E acho que somos muito bons em ter a disciplina certa para pensar se muitas outras pessoas vão querer isso também. Isso é o que nos pagam para fazer. Então você não pode sair e perguntar às pessoas qual é a próxima grande novidade. Há uma grande citação de Henry Ford: ‘Se eu tivesse perguntado aos meus clientes o que eles queriam, eles teriam me dito’ Um cavalo mais rápido’.”

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 2: NÃO VENDA PRODUTOS, VENDA SONHOS

A estratégia de venda da Apple envolve  um pacote global de sonhos, experiências pessoais e status, e faz com que quase todos os outros que não carregam o logotipo da Apple passem despercebidos.

Como dissemos antes, a Apple conseguiu reinventar produtos que já estavam no mercado, você sabe que quando compra um produto da Apple, não está apenas comprando uma grande peça de tecnologia moderna, está comprando um pequeno pedaço de ideologia para colocar no seu bolso. Ao levá-lo, você adota as visões que Steve Jobs tinha: sonhos podem ser cumpridos, assuma uma posição na vida e vá atrás deles, não desperdice sua vida vivendo pelas regras de outra pessoa. Be true to yourself.

A Apple é diferente de todas as outras marcas porque, para Jobs, os consumidores não eram apenas consumidores, eram pessoas. Pessoas com sonhos, esperanças e ambições, e ele conseguiu que a Apple criasse produtos para ajudá-los a alcançar seus sonhos e objetivos.

A Apple sempre foi inovadora, desde seus produtos até a forma como eles comercializam sua mensagem. Um exemplo é quando lançaram seu famoso comercial em “1984” (veja abaixo). O mote de campanha era demonstrar por que 1984 não era como “1984” (você já leu o maravilhoso livro de George Orwell, certo?).

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 3: Concentre-se na experiência

Pense diferente. Pense como Nike e Apple. Concentre-se em criar um universo de sensações, experiências e valores que a pessoa receba ao comprar seu produto. Analise como alguém se sente ao usar e comprar seus produtos, e pense sobre possíveis pontos de melhoria. Quando você compra o seu Apple MacBook Air, não está apenas comprando um computador que pode fazer seu trabalho, editar fotos / vídeos e se conectar com seus amigos.

Você está comprando a crença da Apple de que as pessoas, com paixão, podem mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor.

No caso da Nike, eles vendem uma mercadoria, mas quando você pensa Nike, pensa em toda a experiência.

Quando dizemos Nike, não parece que estamos falando de uma frota de fábricas com as melhores máquinas calibradas ou uma empresa que apenas vende sapatos, parece que estamos falando de um estilo de vida. Nike representa paixão, cruzando seus limites, treinando, suportando e realizando seus objetivos. Ela nem sequer menciona vender sapatos em seus anúncios, e essa é a chave para seu sucesso.

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 4: Transforme os consumidores em evangelistas, não apenas clientes

Uma das estratégias mais importantes da Apple é fazer com que o consumidor deseje recomendar a marca sem ser pago por ela. Como outras marcas icônicas como Harley Davidson (a grande empresa de motocicletas que não apenas vende moto, mas sim uma subcultura e um estilo de vida); os usuários da Apple são defensores, patrocinadores e fãs da marca. Vimos isso na luta clássica entre designers: o que é melhor para projetar gráficos de computador, Mac ou PC?

Os usuários do iPhone pregam que é a única opção para celulares o tempo todo, certo? Os usuários são como evangelistas que representam uma maneira de pensar, uma nova geração e uma missão, algo maior do que eles mesmos. Eles fazem parte da equipe e entendem a visão da empresa.

Nota: enquanto a Apple conseguiu fazer com que seus clientes fossem realmente leais da maneira mais rentável, ou seja, transformando-os em fãs, Harley Davidson, entretanto, conseguiu levá-los ainda mais longe: tem consumidor que tatua a marca como um símbolo de pertencimento ao grupo/marca. Agora estamos falando sobre o poder da marca!

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 5: Seja claro em sua mensagem

Você pode ter um ótimo produto, mas se a comunicação falhar, é como assistir um show de stand-up em um idioma completamente diferente. Jobs nos deu alguns dos melhores discursos da história corporativa. Ele pregou contra apresentações do PowerPoint, dizendo que você só tem que usá-los quando é realmente necessário.

Dominar o tópico, a mensagem e saber apresentá-la sem auxílios visuais, fala muito mais do que um desenho bonito criado com algum esquema de cores elegantes. Para grandes grupos, PowerPoint é excelente, mas Jobs odiava quando as pessoas traziam apresentações em reuniões, porque ele via isso como um sinal de que não dominavam completamente o tópico que estavam apresentando.

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 6: Você não precisa ser o primeiro, apenas o melhor

Como disse ainda pouco, a Apple não inventou tocadores de MP3, smartphones, tablets ou computadores.

No entanto, eles redefiniram e investiram todos os seus esforços para criar um mundo onde seus produtos nos deu um antes e depois de novas tecnologias. Apesar de outra já existir concorrência do mercado, a Apple tomou os mesmos produtos e melhorou a experiência do usuário, navegabilidade, peso, embalagem e canais de distribuição. Eles conseguiram melhor design, tamanho, ouviram, prestaram atenção, e conseguiram projetar produtos que são super fáceis de transportar.

Lição de Marketing  com Steve Jobs # 7: Encontre um inimigo

Pense sobre a Coca-Cola X Pepsi e todas as suas batalhas de mídia ao longo do tempo. Deixe claro quem é o inimigo e tente fazer com que as pessoas tomem partido. Escolher lados faz parte do comportamento humano. A mentalidade de rebanho ou mentalidade de multidão é o que acontece quando a consciência coletiva ocorre em um grupo de pessoas influenciadas e pressionadas pelas massas a adotar certos comportamentos, seguir tendências e / ou comprar produtos.

Como disse ainda pouco, a Apple não inventou tocadores de MP3, smartphones, tablets ou computadores. No entanto, eles redefiniram e investiram todos os seus esforços para criar um mundo onde seus produtos nos deu um antes e depois de novas tecnologias. Apesar de já existir concorrência do mercado, a Apple tomou os mesmos produtos e melhorou a experiência do usuário, navegabilidade, peso, embalagem e canais de distribuição. Eles conseguiram melhor design, tamanho, ouviram, prestaram atenção, e conseguiram projetar produtos que são super fáceis de transportar.

Lição extra: não seja um sheeple

No Brasil, costumamos dizer que pessoas assim são “Maria Vai Com As Outras”, mas nos EUA eles usam um termo bem interessante: Sheeple (mistura de Ovelha “sheep” com pessoas “people”)

Segundo a wikipedia, Sheeple é um termo pejorativo o qual atribui o comportamento de um rebanho de ovelhas de seguirem umas as outras ao fato de que as pessoas acreditam no que é dito sem uma pesquisa prévia sobre o assunto, o conceito de uma pessoa simplesmente seguir ordens de outra que parece confiável ou uma autoridade, o termo sheeple é constantemente utilizado nos cenários políticos e religiosos.

Além disso, vai dizer que você nunca viu grandes embates em comentários na internet quando a pauta são dois “inimigos” assim? Samsung X Apple, Xbox X Sony etc…

Quer queira ou não, somos todos sheeple, duvida? Clique aqui 

Saco sheeple? A Apple está bem ciente disso, então obviamente também os seus usuários, e você sabe que ficou claro exatamente quem é o inimigo: Bill Gates e o que a Microsoft trouxe para o mercado, como Jobs coloca: mau gosto. Os maiores inimigos da Apple são a complexidade, a falta de bom gosto e pensamento convencional, todos os aspectos que Jobs fez muito claro, que a Microsoft possui.

Jobs declarou: – “O único problema com a Microsoft é que eles simplesmente não têm gosto. E eu não quero dizer isso de uma forma pequena, quero dizer isso de uma maneira grande, no sentido de que eles não pensam em ideias originais, e eles não trazem muita cultura em seus produtos. “Para Jobs, uma parte importante do desenvolvimento de um produto é a estética, e que o design homogêneo que representa a marca é um estilo que você encontra em absolutamente todos os seus produtos.

Além destes motivos, Steve Jobs representa para mim uma forma de encarar sonhos, ter um objetivo bem definido e, acima de tudo, representa uma nova forma de encarar o desejo de transformar suas ideias em negócios.

Recomendo que você assista ao clássico Piratas do Vale do Silício e consiga, assim como eu consegui, extrair a parte boa da cabeça de um gênio da inovação

Raio X do marketing digital

Saiba como manter sua equipe motivada e focada no sucesso do cliente

Vários fatores podem garantir o crescimento de uma empresa, como uma boa gestão ou um plano de marketing. Mas você já parou para pensar nos seus colaboradores? Eles são peça fundamental para qualquer companhia que almeja sucesso.

Ter uma equipe motivada cria um ambiente mais agradável e profissionais mais engajados em suas tarefas. Eles entregam um produto de melhor qualidade, de maneira mais produtiva, e melhoram a qualidade de vida tanto da empresa quanto daqueles que trabalham nela.

Como criar motivação?

Apesar de o dinheiro ser importante, estudos apontam que funcionários valorizam outros fatores, como perspectiva de crescimento. Fazer com que seus colaboradores se sintam bem na empresa e na profissão traz bons reflexos.

Para isso, algumas dicas podem te auxiliar a desenvolver a motivação no ambiente de trabalho!

Crie metas e recompensas

Incentive a sua equipe a alcançar metas. Traçar objetivos desafiadores, mas alcançáveis, em troca de alguma recompensa ou bonificação, os induz a competir de maneira saudável pelo desafio proposto.

Isso cria uma dinamicidade de serviço entre seus funcionários, aumenta a produtividade e os aproxima da empresa.

Proporcione qualidade de vida aos colaboradores

Invista nos seus funcionários. Desenvolver um bom ambiente influencia psicologicamente todos os envolvidos, criando um lugar receptivo e agradável na organização. Se preocupar com o local de trabalho demonstra preocupação do gestor com sua equipe, criando um vínculo profissional mais forte.

Para resultados melhores, revise a iluminação dos espaços, as cores e conecte o ambiente à natureza.

Deixe claro o plano de carreira da empresa

É importante deixar clara a política de carreira da instituição. Explicar a possibilidade de crescimento, mostrar o que pode ser alcançado e como será o desenvolvimento profissional do colaborador.

Isso capta a atenção do funcionário que tem interesse em crescer, que passa a se mostrar mais entusiasmado com a oportunidade oferecida.

Invista na formação da equipe

Oferecer cursos profissionalizantes é uma estratégia com vários benefícios; investir na equipe é investir na empresa.

Auxiliar seus funcionários a aprenderem mais sobre a profissão, meios de melhorar a produção e de entregar um serviço com qualidade gera efeitos por todos os setores da companhia.

Entenda e pratique uma boa gestão de pessoas

Saber gerir pessoas tem um reflexo positivo para qualquer empresa. Entender os limites de cada funcionário, seus problemas, saber solucionar conflitos e trabalhar problemas organizacionais fazem com que as necessidades gerais sejam supridas.

Um bom gestor de pessoas aproxima a relação da equipe com a companhia. Se mostrar apto a resolver problemas e preocupado com o bem-estar de cada colaborador é fator que mantém a motivação no ambiente de trabalho e fora dele.

A motivação e o crescimento

O empreendedor que almeja ganhar relevância no mercado atual precisa adotar uma política eficiente para se destacar. Investir em um bom clima organizacional, além de incentivar os funcionários, pode gerar ótimos reflexos, como uma melhora na eficiência geral da empresa, uma equipe mais preparada e satisfeita.

O objetivo de um bom gestor é criar uma companhia sólida e em constante crescimento, e um fator simples como motivação no trabalho pode auxiliar a alcançar essa meta!

Você tem alguma prática para manter sua equipe motivada? Gostou das dicas e pretende aplicá-las na sua companhia? Deixe seu comentário!

Produtividade: pare de perder tempo agora mesmo

A palestra “Administração do tempo e produtividade” da professora Maria de Jesus, durante a  SuperNorte 2016, evento supermercadista que oferece palestras, feiras, cursos técnicos e estandes de empresas do ramo, traz a reflexão de como atualmente estamos administrando nosso tempo de acordo com prioridades traçadas, relacionado à produtividade.

Quando falamos de tempo, nos reportamos ao relógio, à hora. Mas o que será que é administrar o tempo?

É saber administrar a vida.

Quando o tempo passa, não volta mais. As 24 horas que temos, para uns parecem muito, e para outros parece pouco. Em uma sociedade complexa, nunca teremos tempo para fazer tudo que queremos. Precisamos planejar tudo que faremos a cada dia, como o horário que temos que acordar para chegar no local de trabalho e o horário que o ônibus passa na parada.

Você deve utilizar seu tempo para alcançar metas que qualificarão sua vida profissional, mas nunca esquecendo a vida pessoal e dedicar uma parte do seu tempo para a família e lazer.

Quem consegue administrar seu tempo também consegue aumentar sua produtividade.

Você está satisfeito com o seu gerenciamento de tempo atual?

O equilíbrio é fundamental para o planejamento do seu tempo, você deve focar em manter o pessoal alinhado com o profissional para seu próprio bem estar!

Você gostaria de ter mais tempo para seus amigos? Passar mais tempo com seus familiares? Fica a reflexão…

Administrar o tempo não é tão fácil quando visamos a produtividade.

Tempo é realmente dinheiro?

O tempo está muito acima do dinheiro, se você não tivesse tempo disponível não haveria como chegar ao objetivo de ter sua renda. É algo muito além de dinheiro.

Uma maneira de não perder seu tempo é deixar a famosa “fofoca” de lado, não perca tempo falando da vida do seu colega de trabalho. Foque em seus objetivos, coisas positivas, essenciais: companheirismo no local de trabalho, você não é obrigado a ter amizade no local de trabalho, mas o mínimo que deve mostrar é respeito, auxiliar se um companheiro estiver necessitando de ajuda, pois quando você está passando conhecimento, não está perdendo tempo, está aprendendo a melhor utilizar seu maior tesouro: seu tempo.

O amanhã pode não existir, não deixe o tempo passar à sua frente.

Na nossa percepção, sempre temos menos tempo, sempre nossas 24 horas são menores. E gostaríamos até de ter mais tempo. Se o dia tivesse 30 horas, teríamos a impressão também que as 30 horas não seriam suficientes, assim como as 24…

“Dia após dia, no mundo globalizado, o tempo parece não ser mais suficiente para realizar todas as suas atitudes.”

A busca pelo sucesso pessoal e profissional, as exigências do mercado de trabalho, os estudos contínuos, parece consumir a as energia e motivação, deixando-lhe sem saber quais são suas prioridades.

Não queremos apenas administrar o tempo e ter uma produtividade maior, queremos também ter felicidade. Quem é infeliz no seu local de trabalho, às vezes, é o tempo inteiro reclamando: que não é feliz, as condições de trabalho não são favoráveis…mas o que você fez para mudar sua condição?

“Mas eu não queria ser o vigia. Mas eu não queria ser o motorista de ônibus. Mas eu não queria ser a atendente.” Infelizmente, nem todos sabemos administrar o tempo, não é uma tarefa fácil.

Qual é a sua prioridade no dia de hoje?

Dedique um tempo diário para rever as sua prioridades, pois se planejar não é perder tempo, é ganhar ao longo do prazo.

As novas tecnologias estão ao seu favor para ajudar na administração do tempo. Calendários, agendas eletrônicas, pagamentos de contas…você tem ferramentas disponíveis para otimizar sua produtividade e tarefas diárias. Delegue as tarefas que exigirão muito do seu tempo. Quando você consegue dividir as tarefas, tem o sentimento de leveza, de tarefa bem feita, compromisso.

Faça uma auto-avaliação:

Como você divide seu dia?

Como você desperdiça seu tempo?

Você pode dividir os planos de longo prazo em projetos semanais ou diários, por exemplo, de ordem profissional e pessoal.

O correto é que tenhamos um plano tanto para a vida profissional quanto para a vida pessoal, classificando as tarefas como: importantes e urgentes; importantes ou urgentes; não importantes e não urgentes, mas que fazem parte da rotina de trabalho.

As prioridades podem mudar de acordo com situações internas e externar, saiba como lidar com as mudanças, e em caso de necessidade, evite polêmicas!

Tenha seu momento de paz, você deve programar instantes de tranquilidade todos os dias, e se necessário, por mais que seja difícil: desligue seu celular!

Mas como avaliar o seu ritmo de trabalho?

Saiba observar seus picos de atividade física ou mental e analise quanto duram para melhor utilizá-los, reservando energias para aproveitar a família e amigos após o trabalho, pensando positivamente, e faça pelo menos uma coisa que realmente gosta todo dia.

Algumas dicas para o trabalho:

– Assinale nos papéis os itens-chave para agilizar a releitura;

– Coloque no escritório um relógio que todos possam consultar;

– Avalie os arquivos em intervalos regulares e descarte os documentos inúteis;

– Evite criar pastas com nomes como “Assuntos Gerais” ou “Diversos”;

– Arquive apenas os documentos que poderão ser usados no futuro.

E você, será que vai ter tempo para pensar sobre o assunto?