Erros de marketing: o que não fazer para buscar o sucesso?

 

Como você bem sabe, na internet a zoeira não tem limites. E deslizes, aberturas para piada e notórios erros de marketing costumam cair na graça dos internautas através das redes sociais (para desgraça do criador e da marca envolvida).

Agora, na boa! Algumas empresas (parece que) pedem para serem zoadas, não é mesmo?

ERROS NO MARKETING

Hoje, vamos compartilhar com você alguns casos de empresas que falharam epicamente no marketing e que você pode usar como exemplo do que NÃO FAZER.

 

  1. Bling: timing e abordagem

    No topo, mas não necessariamente o maior FAIL dessa seleção, o caso de uma empresa que vacilou feio em usar as redes sociais para pegar carona em uma notícia de senso comum e aproveitar para “vender seu peixe”.

    O Bling é um software de gestão empresarial, ERP para a micro e pequena empresa. E, aproveitando o trending topics do momento, criaram a seguinte publicação no Facebook:

    Vamos aos fatos. É muito legal (e recomendável) você aproveitar as tendências e o que está sendo falado no mundo para usar o marketing de oportunidade.

    MAS, BOM SENSO VALE MAIS QUE 1 MILHÃO DE LIKES!

    Se você não lembra, há um tempo atrás um avião sumiu no mar, uma tragédia na qual centenas de pessoas morreram. A empresa usou esse tema (que estava sendo super falado) para fazer o seu marketing e, claro, recebeu milhares de comentários negativos nas redes sociais.

    Então você pensa: como o assunto está no auge, não devo aproveitar o momento?? Não, não é assim…

    Regra de ouro da produção de conteúdo para mídias sociais: NUNCA aborde notícias que envolvem morte e tragédias!

     

  2. Nestlé faz bebida Alpino SEM chocolate Alpino 

    A Nestlé lançou uma linha de bebidas prontas chamada “Fast” e uma delas era de chocolate Alpino. Ou melhor, sabor Alpino, já que a própria embalagem dizia que o produto não continha o chocolate Alpino.
    O caso gerou reclamações no CONAR e manifestos na internet. A empresa foi notificada, precisou se desculpar em público e mudar o rótulo do seu produto.

  3. Ação da P&G “de parar o trânsito”

    A P&G realizou uma ação no “avião do Faustão”, um remake da antiga promoção do caminhão. Tudo parecia ir bem até a empresa decidir espalhar caixas que supostamente teriam caído de aviões, no Rio de Janeiro.

    O problema é que isso aconteceu exato no momento em que o Rio passava por um período de extrema insegurança, com o conflito entre policiais e traficantes. Resultado: a população ficou com medo, o esquadrão antibomba foi chamado e a imagem rodou todos os noticiários policiais do país.

  4. Revlon: perfume de Velório? 

    Até mesmo fatores culturais podem causar impactos negativos se a estratégia de marketing não for bem analisada e planejada.Um exemplo disso foi o que aconteceu com a marca de cosméticos Revlon, quando lançou uma nova fragrância de perfume no Brasil.

    A fragrância era de flores de Camélia, só que não foi avaliado (antes do lançamento do perfume) o fato de que a fragrância desta flor está associada a funerais no Brasil.

    Sem surpresa, o perfume não teve sucesso. Muitos entenderam que a empresa estava desrespeitando a cultura local.

  5. Será que Mark Zuckerberg já estudou no Paraguai? 

    Pois é. É de conhecimento público que o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, é ex-aluno de Harvard, mas não chegou a terminar o curso. Eis que aparece um anúncio mostrando que ele fez faculdade no Paraguai. Hein? Veja o que a universidade paraguaia disse:

    Nós pedimos a elaboração de um outdoor [para a agência de publicidade], e eles nos passaram essa imagem sem conhecer de quem eram os rostos utilizados. Perguntei se tínhamos que colocar rostos de alunos conhecidos, e eles responderam que tinham imagens gratuitas ofertadas na internet legalmente.

    Amigos, de verdade. NUNCA peguem qualquer foto do Google para usar em seus trabalhos. Procurem sempre por fotos com a licença CC (Creative Commons) ou compre fotos em bancos de imagem [via: Buzzfeed e EFE/Paraguay.com].

  6. Listerine e a embalagem nota ZERO

    Sabemos que a embalagem é essencial para o produto, mas ela também pode ser aquele empurrãozinho (diferenciado) que o seu empreendimento está precisando.

    Em um mercado tão competitivo como o de saúde bucal, a Listerine conseguiu realizar essa proeza… parabéns aos envolvidos.É por essas e outras que aqui na agência a gente brinca que todas as empresas deveriam ter um departamento de “vai dar M%¨&”.

    Uma equipe que olhe com cuidado o projeto antes de veicular e pense: “hum… será que não vai dar m..?” ou que simplesmente se coloque na posição de consumidor (saindo um pouco de sua posição técnica) e dê seu parecer leigo.

    Ação simples, de apenas se colocar no lugar de quem irá ser atingido pela comunicação: o potencial consumidor.

    Ah, como o último da lista fala sobre embalagem, recomendo fortemente que você leia nossos 5 MOTIVOS PARA INVESTIR EM EMBALAGEM e assista ao vídeo abaixo:

     

E aí, conhece algum outro caso de erro de marketing que queira compartilhar? Deixe seu recado aí nos comentários.

 

Passo-a-passo: Como funciona o inbound marketing?

Você provavelmente já ouviu falar que precisa do inbound marketing para se manter relevante e competitivo no mercado on-line de hoje. Você talvez até tenha comprado algo através dele sem saber. Então, chegou a hora de entender, de uma vez por todas, como funciona o inbound marketing.

A linha entre o off-line e o on-line está a cada dia mais tênue. Já reparou que a gente não diz mais “entrar na internet”?

Você já sabe disso e que o consumidor mudou. E é aí que a utilização dos conceitos de inbound marketing como metodologia se fazem mais do que necessários. Mas, antes de aprofundar no assunto, vamos a alguns números:

 

  • 60% dos consumidores apresentam visão mais positiva sobre uma marca depois de consumir conteúdo da mesma. [Fonte: iMedia Connection];
  • 70% das empresas no Brasil já utilizam Marketing de Conteúdo. [Fonte: Content Trends 2016 | Rock Content];
  • O desconhecimento sobre Marketing de Conteúdo é o principal motivo apontado para a não adoção da estratégia. [Fonte: Content Trends 2016 | Rock Content].

Viu? É possível utilizar essa metodologia em qualquer empresa, usando conteúdo para entretenimento/utilidades e fazendo reforço de marca.

Apesar da tênue diferença, o inbound marketing atingiu patamares que o marketing tradicional não conseguiu. O principal deles é que, no inbound marketing, a área de marketing da empresa é um centro de investimento e não um centro de custo.

 

Definição de inbound marketing

Para a Hubspot , o inbound marketing é dividido em 4 etapas que são: 1) a atração; 2) a conversão; 3) o fechamento e 4) o encantamento.

Já para a RD – Resultados Digitais (nossa parceira) são 5 etapas: atrair, converter, relacionar, vender e analisar. Nós, vindianos, consideramos mais uma etapa além dessas cinco citadas: a etapa da retenção.

Abaixo faremos um “bem bolado” nesses conteúdos com a apresentação da metodologia para você entender como o Inbound marketing pode e vai ajudar a sua empresa a ter melhores resultados.

Como funciona o inbound marketing

Atração

O inbound marketing começa na etapa em que seus potenciais clientes ainda não tem nenhum relacionamento com a sua marca. Nesse momento, esses “clientes” ainda são estranhos, já que a sua empresa não possui nenhuma informação relevante de quem são, o que buscam, que comportamento tem. Eles, ao buscarem o conteúdo de interesse no meio on-line, usando palavras chaves (keywords) relevantes para a sua busca, acabam sendo atraídos pelo conteúdo da sua empresa. Nesse momento a mágica acontece: ao acessarem aquele seu post ou conteúdo das redes sociais, blog, youtube, etc., eles deixam de ser “estranhos on-line” e passam a ser visitantes.

 

Conversão

 

Nesta etapa, o visitante precisa virar Lead para poder avançar no processo de compra. Ah, entenda “conversão” como uma ação do usuário na qual ele nos fornece suas informações de contato em troca de uma recompensa: e-book, planilhas, apresentações, inscrições em cursos com desconto, etc.

Entenda que criar um site, por si só, não é garantia de vendas para ninguém hoje em dia. Por isso, existem várias táticas que podem ajudar você a transformar seus visitantes em Leads. Algumas delas são:

 

  • Materiais ricos:
    • Pense em criar “soluções” para os problemas que sua persona seus potenciais clientes enfrentam e busque se tornar referência no seu nicho.

 

  • Landing pages:
    • Landing Page, ou página de aterrissagem no bom português, refere-se a uma página feita com um objetivo maior e único: a conversão. Perceba que a landing page não é a mesma coisa do que a página inicial do seu site.
    • Crie uma landing page que fale profundamente sobre um de seus serviços. Não fale sobre nenhum outro assunto nesta página e utilize botões estrategicamente posicionados para influenciar o usuário a agir/clicar.

 

Relacionamento

Quando olhamos para a jornada de compra, podemos perceber que existem etapas que devem ser respeitadas até o ponto em que uma pessoa está “pronta” para receber uma abordagem.

Para ficar mais clara a proporção de cada etapa, vamos dar uma olhada na pirâmide Chet Holmes, do livro The Ultimate Sales Machine:

Viu só? Apenas 3% do seu mercado em potencial está buscando por uma solução, ou seja, está na etapa de decisão de compra.

Olhando diretamente para a sua lista de e-mails gerada com o inbound marketing, podemos considerar que o cenário não é muito diferente: a partir da produção de conteúdo focado em diversos problemas e estágios de compra, conseguimos “educar” o lead do topo da pirâmide até o último estágio.

É aí que entra a etapa de relacionamento no inbound marketing. veja agora quais as ferramentas que a VINDI usa para conduzir o lead pelos estágios e acelerar o processo de compra:

 

  • E-mail marketing;
    • O e-mail marketing continua se apresentando cada vez mais como um canal que provê grande ROI (retorno sobre o investimento);
    • O custo para alcançar toda a sua base é menor em comparação a outros meios, como mídias sociais, e cada campanha, se bem realizada, tende a trazer resultados palpáveis e de curto prazo (dependendo da oferta).
  • Automação de marketing;
    • A automação de marketing é um estágio importantíssimo no relacionamento por e-mail. Com ela é possível criar uma estrutura que trabalhe de forma escalável e inteligente, considerando tanto o interesse do Lead quanto o seu momento na jornada de compra.
  • Nutrição de leads:
    • A Nutrição de Leads nada mais é do que o processo de informar e educar os leads sobre o seu produto, serviço, empresa ou área de atuação, conduzindo-o pelo funil de vendas de forma sensível. Ou seja, ao invés de ofertar a sua solução para todo mundo, falamos com cada Lead respeitando o seu interesse e momento na jornada de compra.

 

Vender

Todas as etapas acima convergem em produzir demanda e gerar oportunidades de negócio. Se você tiver um e-commerce, o processo de vendas acontece dentro do próprio website, e em outros é necessário o contato entre um vendedor e o potencial cliente.

Está, caro leitor, é a etapa que mais se distancia do velho marketing. O Lead agora percorre parte da jornada de compra antes de entrar em contato com o vendedor.

Analisar

Uma das vantagens mais poderosas do Marketing Digital é a possibilidade avaliar precisamente seus resultados.

É possível monitorar cada ação que ocorre com seu site, post e campanha, o que torna o trabalho mais inteligente – e prazeroso. Saber de onde vem, que horas, qual navegador e quais assuntos mais agradaram seus visitantes é parte fundamental do inbound marketing.

Reter

Engana-se quem pensa que finaliza o trabalho de marketing quando a venda é realizada.

Na etapa de retenção, deve-se enviar materiais para que seu cliente mantenha a boa experiência com a sua marca.

Igualmente, cabe ao seu time o processo contínuo de pesquisa e monitoramento para atestar que a sua solução continue ajudando esse cliente, assim, com boas referências e experiências com a sua empesa esse cliente terá tudo para passar a ser um promotor da sua marca, indicando seus serviços para familiares, amigos, parceiros e fazendo com que o ciclo inicie novamente.

Abaixo apresento uma imagem que a própria Hubspot utiliza para apresentar a sua metodologia de forma resumida.

 


Agora que você já sabe como funciona o Inbound marketing, veja como praticá-lo. Na própria Vindi e nos nossos clientes, buscamos implementar essa metodologia em sua essência.

E aí, ansioso por saber mais? Clique na imagem abaixo e receba o nosso e-book completo sobre Como funciona o inbound marketing.

cliente

Procurando job? Aqui tem vagas para designer e marketing digital

Ei, futuro designer ou marqueteiro digital! Se você está em um fim de temporada na sua vida, procurando pela reviravolta para conquistar o Norte, este post é para você.

E aí, tudo bem?

Existem momentos na vida em que não há guerreiro ou amazona, rei ou rainha, mago ou feiticeira que enfrente os desafios do cotidiano sem um frio na barriga, sem hesitar ou cogitar desistir.
Frias são as noites e quentes são os dias do profissional moderno que encara seus desafios com determinação, mas não se sente pertencente à nenhuma casa: Lannister, Baratheon, Martell, Bolton, Marambaia, Pedreira, Umarizal…

A solução

Atentando para os anseios de tantos lords e ladys em busca de uma colocação profissional e senso de pertencimento à uma casa forte, em expansão e que anseia o domínio do Norte, a Vindi, Mãe das Boas Ideias e Protetora da Inovação vem à público comunicar duas vagas* disponíveis:

*Clique no nome da vaga acima para baixar o edital oficial.

Ambas as vagas exigem discernimento, visão profissional estratégica e desapego espiritual para suportar frases como “faz de novo” ou “segue logo.doc”.
O bravo candidato deve atender aos requisitos da agência nortenha que vos fala, bem como dominar com extrema elegância e fé as seguintes áreas:

  1. Preparar o café (quando estiver na base);
  2. Ouvir piadas que, constantemente, podem não ter graça nenhuma;
  3. Deletar a fonte Comics Sans do seu computador;
  4. Enviar currículo + portfólio para contato@vindi2i.com.br com o título [NOME DA VAGA] SEU NOME E SOBRENOME.

 

Conclusão

 

“A mente precisa de livros como uma espada precisa de uma pedra de amolar.” Tyrion Lannister

Pense bem antes de se candidatar a vaga. Há muito que se temer e tortuoso é o caminho para a glória e satisfação dos clientes. No mundo do marketing e design, sobrevive aquele que estuda mais, que entrega mais jobs e, principalmente, aquele que escolhe com sapiência seus aliados.

Acha que a vaga não é para você? Não seja um caminhante branco e compartilhe com seus amigos que podem ser potenciais candidatos.

Vida longa ao Norte!

O incrível inbound marketing: o que é e onde habita?

O velho marketing ficou para trás. O consumidor está na internet e você precisa estar lá para entendê-lo melhor e, assim, vender mais. Descubra o conceito de inbound marketing e como ele pode ajudar.

Inbound marketing?

De maneira objetiva, o Inbound Marketing pode ser entendido como uma forma estratégia de marketing que visa atrair o interesse das pessoas dos consumidores de uma marca/produto no meio on-line.

 

Essencialmente o Inbound marketing, ou marketing de atração, utiliza três pilares importantes do marketing digital, que são: SEO, Marketing de Conteúdo e Estratégia em Redes Sociais.

Conceitualmente, o termo Inbound Marketing surgiu pela primeira vez em 1999, quando Seth Godin lançou o livro Permission marketing: turning strangers into friends, and friends into customers (em tradução livre “Marketing de permissão: transformando estranhos em amigos, e amigos em consumidores); demonstrando detalhadamente a técnica não ortodoxa de marketing.

Uma década depois, o termo voltou a ser abordado no livro “inbound marketing: GetFoundUsing Google, Social Media, and Blogs” (em tradução livre “Marketing de Atração: seja encontrado usando o Google, Mídias Sociais e Blogs), levando a maior difusão do termo no mercado e compreensão de sua importância para as empresas que desejam otimizar seus resultados mercadológicos.

 

Conceito de inbound marketing

 

 

“Inbound marketing é uma abordagem focada na atração de consumidores através de conteúdos e interações que são relevantes e úteis – sem ser interruptivas. Com o inbound marketing, os potenciais clientes te encontram através de canais como blogs, mecanismos de buscas e redes sociais. E diferentemente do marketing tradicional , você não precisa brigar pela atenção desse potencial cliente,  pois ao criar conteúdo para resolver problemas e necessidades de seus clientes ideais, o inbound marketing atrai prospectos qualificados e cria confiança e credibilidade na sua  empresa”  HUBSPOT

 

“inbound marketing é um conjunto de estratégias que têm como objetivo atrair voluntariamente clientes potenciais para o site da empresa. Ao contrário do Outbound Marketing (tradicional), o inbound baseia-se no relacionamento e educação do consumidor, em vez de usar propagandas e prospecção ativa de clientes.” Resultados Digitais

 

E onde habita esse tal de inbound marketing?

O inbound marketing é uma estratégia que se concentra em atrair clientes (ou leads), através de conteúdo na internet, de modo que os clientes potenciais cheguem à empresa e entendam suas dores e como você poderá ajudá-lo. Este tipo de marketing torna mais fácil  o processo de descoberta da sua empresa por clientes que já estão buscando produtos ou serviços através da Internet.

 

Uma vez que o conteúdo do inbound marketing é promovido pelas empresas nas mídias sociais, ele pode se espalhar através do boca-a-boca e ter um efeito de longo prazo, mantendo sua marca viva na cabeça dos prospects. Os conteúdos mais antigos podem atrair mais leads ao longo do tempo, à medida que sua relevância (rankeamento no Google) aumenta, transformando suas publicações em verdadeiras máquinas de leads sem gastar tempo ou esforço na criação de um novo conteúdo.

Conclusão

O inbound marketing já deixou de ser modinha ou novo termo cool do mercado. Arrisco dizer que é um caminho sem volta, pois a evolução da comunicação e da tecnologia tem mostrado que é necessário falar diretamente com o cliente, atraindo as pessoas certas para a marca e/ou produto certo, na hora certa.

 

Quer saber ainda mais? Veja o nosso guia de inbound marketing para Iniciantes:

cliente

Seu cliente mudou: entenda o como e o porquê!

O novo marketing é implacável e irreversível. Os consumidores estão envolvidos à tecnologia como nunca. Com mais de 3,75 bilhões de pessoas conectadas à internet, você precisa se perguntar: meus esforços de marketing on-line atendem às necessidades do novo consumidor?

 

Este é um fato que não se pode mais negligenciar: o comportamento do consumidor mudou! Com maior facilidade de acesso aos dispositivos mobiles como smartphones e tablets, e surgimento de diferentes planos para acesso a internet banda larga, o consumo de conteúdos on-line em plataformas pagas ou gratuitas (site de notícias, redes sociais, blog, NetFlix, Youtube, entre outros) já se tornou atividade rotineira do novo consumidor – se não até um vício.

 

Com tantas facilidades é inegável que a tecnologia melhorou muito a comunicação e o acesso à informação de todos os brasileiros. O que significa que os consumidores não estão mais à mercê dos anunciantes que, no passado, decidiam quando o público teria contato com as propagandas em canais como televisão e rádio. Agora, os consumidores controlam quando e como obtêm as informações de real interesse.

 

Com tantas mudanças no mercado, também precisamos evoluir as estratégias de marketing para se adequar ao cliente moderno, que está:

  • Sempre conectado aos smartphones, tablets e computadores;
  • Cético aos velhos canais de comunicação, como televisão, revistas e jornais;
  • Sempre comparando preços, lendo avaliações de produtos e buscando conteúdo confiável (em fóruns especializados, canais no youtube, canais de reclamação, etc.); e
  • Pronto para ser um comprador, 24 horas por dia.

 

Nesse “novo marketing”, um tal de inbound, chega como mais uma alternativa para as empresas fugirem do circuito de interrupção da atenção do cliente do velho marketing, para se tornarem negócios buscados e encontrados por reais potenciais clientes.

cliente

Isto significa que você não mais vende: você é encontrado! Uma vez que os indivíduos que estão em busca de um novo produto ou serviço [desejando minimizar a chance de um investimento equivocado] são muitas vezes mais educados, com informações detalhadas ou relatadas por outros usuários/consumidores no meio on-line, do que o próprio vendedor no ponto de venda.

 

Isso só reforça que o marketing digital é cada vez mais importante, já que as empresas devem competir agora pela atenção do consumidor em um mundo móvel on-line e sem barreiras.

 

De acordo com a pesquisa da We Are Social e a Hootsuite “DIGITAL IN 2017 GLOBAL OVERVIEW”, em publicação recente (janeiro de 2017) , no Brasil a internet já está presente para 66% da população brasileira, sendo que esse número cresceu 16% em relação a janeiro de 2016.

 

Mesmo com um média de velocidade ruim (5.5 mbps), o tempo gasto acessando a internet diariamente é intenso, contabilizando notáveis 4h59min em laptops ou desktops e 3h56min em dispositivos mobiles – o que nos dá a segunda posição no globo, perdendo apenas para as Filipinas em tempo de uso na internet. E adivinha onde os brasileiros gastam 3h43min diariamente? Na redes sociais é claro!

 

Novamente ficamos em segundo lugar, atrás das Filipinas (4h17min) e a frente dos hermanos argentinos (3h32min). Talvez aí esteja um pouco da explicação dos brasileiros serem os reis dos memes e da zoeira, mas isso já outro assunto e fica para outro momento.

 

Pasmem: no Brasil temos cerca de 122 milhões de usuários ativos só no Facebook, ficando atrás somente da Índia (191.000.000) e dos EUA com (214.000.000).

 

As empresas precisam se aproximar dos consumidores.

social media

Se você leu até aqui, provavelmente a posição digital da sua empresa não está onde gostaria que estivesse. Se você quiser competir pela atenção do consumidor no universo digital de hoje, você deve desenvolver os ativos adequados para chegar lá.

 

Sua empresa deve se apresentar bem nos diferentes canais on-line. Você deve trabalhar para aumentar a conscientização dos usuários, atrair atenção do público, servir uma audiência buscando gratificação instantânea e ganhar confiança. Você provavelmente conseguiu muito ou tudo isso através de canais tradicionais, agora você precisa recriá-lo em uma plataforma digital.

 

Se você quer um conselho, clique na imagem abaixo e passe o Raio X do Marketing Digital para fazer uma autoanálise do seu negócio.

Conclusão

O mundo do marketing on-line está mudando continuamente. Precisamos garantir que nos adaptamos rapidamente e o suficiente para satisfazer as necessidades do consumidor moderno. Isso só pode ser feito conhecendo o perfil do nosso consumidor e adequando as estratégias de marketing de acordo com dados coletados e buscando sempre a melhor experiência de usuário para o consumidor.

E o tal Inbound marketing, como ele pode se aproveitar desses dados e informações citadas acima?

O que Doctor Who pode nos ensinar sobre marketing digital?

Informações valorosas e lições super úteis nos cercam diariamente, e em Doctor Who não é diferente. Se você assistiu mais do que alguns episódios dessa série de TV britânica, provavelmente sabe que lá tem muito mais do que um alienígena que viaja em uma pequena caixa azul.

Se você nunca ouviu falar de Doctor Who, não tem problema também, os conceitos presentes neste post de blog podem ser aplicados a qualquer pessoa, sendo ela whovian ou não.

O que aprendi com Doctor Who sobre marketing digital?

 

1 – Qualquer um pode ser bem sucedido

Algo como “O universo é grande. Vasto, complicado e ridículo. E às vezes, muito raramente, coisas impossíveis acabam acontecendo e nós as chamamos de milagres”.

Não estou te pedindo para acreditar em milagres, claro que não. Mas essa frase nos ajuda a entender a grandeza do universo, nos devolve ao “nosso lugar” e ainda dá aquela pitada de: “Vai, você consegue”.

Todos nós somos protagonistas de nossa própria história. Não caia na armadilha de acreditar que você estava destinado a fazer ou ser algo especificamente. Ninguém é tão especial.

Sem essa de “ah, mas esse negócios de marketing digital é muito complicado”, ou “só adolescente usa a internet hoje em dia, meu público não está lá”.

Quem quiser se manter vivo no mercado não fica com medo do novo: vai lá e faz! Campanhas de marketing digital bem sucedidas precedem de pessoas que encontram suas paixões e escrevem sua própria história. E o que são as redes sociais na internet se não uma grande sala, onde todos contam suas histórias?

Tudo o que você precisa é ter paixão pelo que faz e um pouco de sorte. Isso por si só é combustível para você escrever sua própria história de sucesso (isso se você ainda não a estiver escrevendo agora mesmo).

 

2- Mudanças podem ser boas para seu negócio

Quando o assunto é mudança, nosso querido doutor é expert no assunto. O personagem principal, o Doctor, muda sua fisionomia com grande frequência (geralmente marcando transições de temporada), bem como suas companhias são trocadas constantemente.

Ah, e eu já ia esquecendo, a própria nave e formato de cabine telefônica, Tardis sofre leves alterações as vezes.

E sabe de uma coisa? Isso nunca afetou a marca. Na verdade, a mudança de personagens é seguida frequentemente por um aumento em sua audiência.

Uma mudança na marca de sua empresa, estratégia de marketing ou mesmo uma mudança no time de implementação pode suportar seu crescimento on-line de várias maneiras.

A mudança é algo que pode atrair clientes. A renovação da identidade da marca, no digital, pode mostrar aos seus clientes que você responde/se adapta ao meio ambiente.

 

2. Não há nada escondido atrás do sofá

“Atrás do sofá” é uma frase da cultura pop britânica que descreve a reação temerosa de se esconder atrás de um sofá para evitar ver partes assustadoras de um programa de televisão (com a implicação de que alguém quer permanecer na sala para assistir o resto do programa). Embora a frase seja empregada às vezes em um contexto sério, seu uso geralmente se destina a ser humorístico e/ou nostálgico, e evocar um medo agradável e seguro em um ambiente doméstico.

A expressão se originou, claro, em um episodio da série Doctor Who, na década de 70.

O problema é que quando a criança tentasse assistir novamente a TV, os monstros ainda estariam lá. O mesmo pode ser dito nos negócios.

Os monstros do Doctor Who podem ser substituídos pelos maus momentos do seu negócio. Existem quatro maneiras de lidar com esses monstros: você pode esconder, ignorar, atacar ou desafiá-los positivamente.

Ocultar e ignorar os monstros do seu negócio fará pouco para dissipa-los. Atacar o problema pode parecer uma ação positiva, no entanto, como bem nos lembra o case o restaurante Phenix American Mex, ter uma estratégia agressiva pode prejudicar sua marca ainda mais.

Por outro lado, os momentos negativos que desafiam positivamente em sua empresa podem ser benéficos. Há muitas maneiras pelas quais você pode empregar uma ação positiva, como uma campanha de relações públicas direcionada ou lançar um novo material que mostre sua experiência em um campo. Seja qual for a solução que você encontrar, é melhor do que se esconder atrás do sofá.

 

3. Uma boa história é tudo que você precisa

Doctor Who nunca foi conhecido por grandes efeitos especiais de última geração. No entanto, o show nos anos 70 e 80 ainda atraiu grandes públicos. Por quê? Por causa da maneira como contaram a história. Os clientes reagem às histórias, sentem uma conexão emocional e passam a se envolver.

Nesse sentido, uma empresa não precisa de muita pirotecnia para manter uma conversa saudável com o público na internet. Comprar anúncios do Facebook ou Tweets patrocinados são sempre válidos (e vitais, eu diria). Mas um bom blog, gestão estratégica de redes sociais e marketing por e-mail podem ser tudo o que você precisa para atrair clientes.

Enquanto você contar uma boa história, você atrairá clientes para sua empresa.

É também por isso que os anúncios diretos (No estilo COMPRE AGORA) não funcionam em blogs ou mídias sociais. Em vez disso, esses meios devem ser usados para contar histórias e atrair clientes para seus sites.

 

4. Assim como Doctor Who, você pode usar o timing a seu favor

 

No início da década de 1990, Doctor Who passou por um declínio de popularidade e audiência. Mesmo quando a série voltou a ser gravada, em 1996 não conseguiu ganhar impulso, mas apesar de tudo a franquia não morreu, e em 2004 a série estava de volta e agora com todo o gás.

O mesmo pode ser dito para o sua presença digital e seus produtos. Não importa o que aconteceu, sempre há a chance de voltar, se reinventar e atingir o coração do público. Haverá momentos em que a má cobertura da mídia pode prejudicar seu perfil comercial ou de negócios, mas como você responde a essas notícias pode mudar o jogo.

O Magazine Luiza é um exemplo perfeito. Eles transformaram um fator desfavorável em uma excelente oportunidade de ação nas redes sociais.

Conclusão

Há muito que podemos aprender com os programas que assistimos, mesmo que tenham pouco a ver com as atividades de negócios e marketing digital que executamos. Doctor Who me ensinou que quase tudo é possível com a atitude certa e não custa uma fortuna.

E que tal passar um Raio-X no Marketing Digital do seu negócio? Experimente nossa ferramenta GRATUITA.

Raio X do Marketing Digital

Que programas lhe ensinaram lições valiosas? Conta aí pra gente nos comentários.

 

 

Estivemos no RD ON THE ROAD e você não vai acreditar no que vimos lá

Quando o assunto é marketing e vendas, falar da Resultados Digitais é quase obrigação. Os caras são incríveis, conseguiram criar um case de sucesso que se vende praticamente sozinho, e o melhor: dá resultado!


Estivemos esta segunda (05) no RD on the Road, evento itinerante realizado pela Resultados Digitais, a mesma empresa à frente do RD Summit, o maior evento de Marketing Digital e Vendas do Brasil, que acontece anualmente em Florianópolis.

Talvez você não saiba, mas somos parceiros certificados da Resultados Digitais e usamos sua plataforma e metodologia de inbound marketing com os nossos clientes da casa para transformar os visitantes de seus sites em clientes.

Então sim, já sabíamos do evento desde o ano passado. Participar dele é mais do que uma obrigação nossa, como uma das poucas agências representantes da Resultados Digitais em terras nortistas.

Nossa intenção inicial era aproveitar para renovar o conhecimento nos principais tópicos abordados e, claro, ver qual o perfil médio das pessoas que se interessam pelo assunto em nossa querida Belém do Pará.

Só que, no lugar de correr o risco de perseguir o próprio rabo, procuramos incentivar nossos clientes de inbound marketing a participarem também. Acreditamos que educar o mercado é a principal missão de qualquer agência com foco em inovação.

 

Este vídeo foi gravado logo no final do evento, com o José Neto, nosso parceiro na atração e qualificação de clientes em potencial para a Lima Empresarial, escritório de contabilidade especializado em serviços para o comércio e indústria do Estado do Amapá.

Animated GIF  - Find & Share on GIPHY

Ok, vamos direto ao ponto principal deste post.

O que rolou de bacana no RD On The Road –  Belém, Diego?

Bom, vale lembrar que foram mais de cinco horas de informação, dicas, hacks e networking constante. Trago aqui, resumidamente, os pontos que anotei. Existe a possibilidade deste post aumentar ao longo dos próximos dias (conforme eu for relembrando os detalhes =D ).

O evento inteiro foi preparado para que o participante saisse com a sensação de aprendizado completo; podendo já aplicar todo conteúdo absorvido em práticas eficazes e de resultado.

Dentre as palestras, vimos os seguintes temas:

    • Marketing Digital de resultados;
    • Introdução ao Inbound Marketing;
    • Marketing de Conteúdo;
    • Campanhas de Email Marketing;
    • Tráfego;
    • Social Media;
    • Sales;
    • Hacks para inbound marketing mais eficaz.

 

Mas a frase que mais me chamou a atenção foi esta, e você não vai acreditar…

INBOUND MARKETING É UM INVESTIMENTO NO TEMPO

 

Essa frase veio de Thiago Gabri, da RD Station, ele é formado em Comunicação Social, entrou na RD em 2013 como vendedor e hoje tem a oportunidade de ser Diretor da área de Inbound Sales conectando os conhecimentos de Marketing da carreira anterior com o novo formato de vendas via web.

O inbound marketing dá resultado, te ajuda a ser facilmente encontrado pelo Google (com ajuda de SEO), e fica mais fácil de qualificar seus contatos e medir o Retorno sobre Investimento. Sim, verdade. Mas não é da noite para o dia.

É preciso ter paciência, técnica e um bom planejamento para executar, monitorar, avaliar e incrementar seus esforços na internet. Tudo que vem fácil, vai fácil.

E ainda teve a incrível palestra do Vitor Peçanha, sobre como criar uma estratégia de marketing de conteúdo

Vitor Peçanha é co-fundador da Rock Content (empresa líder em marketing de conteúdo no Brasil) e profissional calejado de marketing digital.

Ah, teve ainda a palestra da Lígia Alface sobre o que é preciso saber para aplicar Inbound Marketing na prática. Eis aqui o que conclui sobre o conteúdo passado:

Sobre geração de tráfego e leads: o conteúdo direcionado para o seu público-alvo direcionará um tráfego de qualidade e levará ao seu site, ok até aí. Quanto mais freqüentemente você produz conteúdo, mais freqüentemente esse público-alvo provavelmente visitará seu site – e quando o fizerem, você deve estar pronto para eles com chamadas para ações, páginas de destino de alto nível e ofertas de conteúdo que os ajudarão a tomar suas decisões – assim, levando-os no caminho da conversão. (vendas, papai!)

Ei, ainda tem muuuita coisa sobre as palestras, mas vou deixar você refletindo sobre o que conversamos até agora.

Lembrando que é importante entender que o inbound marketing é uma das estratégias mais eficazes no mundo digital de hoje – e se você não estiver usando, está perdendo uma oportunidade fundamental para desenvolver relacionamentos com seus clientes potenciais.

Curtiu? Não se esqueça de comentar o que achou e compartilhar este post com seus amigos e colegas de profissão.

Como saber se o seu site está realmente pronto para divulgar sua empresa

Ter um site para divulgar sua empresa é um dos caminhos mais eficientes para aumentar a sua base de clientes e fortalecer a imagem da sua marca. No entanto, tudo isso só é possível quando há um bom planejamento envolvido.

Com toda a evolução pela qual a internet passou, a ideia de um site de qualidade está bastante diferente daquela que se imaginava 10 anos atrás. Para permanecer relevante em sua área de atuação e atrair mais clientes, você precisa se certificar de que o seu site está perfeitamente capacitado para gerar todo esse valor.

Quer saber se está tudo certo com o seu site para divulgar sua empresa? Continue a leitura e confira alguns fatores!

Volume de tráfego estimado

Nenhum cliente respeita uma empresa que mal consegue manter o próprio site no ar. Portanto, você deve ter muito bem definida qual é a expectativa de tráfego que vai receber e contratar um servidor de hospedagem que seja capaz de suportá-la. Do contrário, muitas visitas podem sobrecarregar o serviço e tirar o seu site do ar.

Integração com redes sociais

Elas estão presentes no cotidiano de quase todo mundo e precisam fazer parte da realidade do seu site para divulgar sua empresa.

Porém, não se limite a apenas colocar ícones com atalhos. Experimente inserir destaques atualizados em tempo real, que venham dos seus perfis nas redes sociais. O contrário também é válido: divulgue o conteúdo do seu site nas plataformas em que sua empresa está inserida.

Responsividade

Os smartphones já são maioria no acesso à internet no mundo e no Brasil, portanto, não faz sentido ter um site que não abra adequadamente em dispositivos móveis. Certifique-se que ele funcione corretamente tanto no computador como em aparelhos menores.

Por fim, o conceito de responsividade vai além do tamanho da tela. Seus recursos devem também se adaptar a várias velocidades de conexão e pacotes de dados limitados.

Usabilidade

Conforme a tecnologia avança, é possível tornar muitos processos mais fáceis de realizar. Você deve oferecer essas possibilidades ao seu público por meio do seu site, o que torna a experiência do usuário muito melhor.

Independentemente do equipamento usado, grau de instrução e perfil, o seu visitante deve ser capaz de realizar as ações disponíveis no seu site. Trata-se de algo básico para qualquer empresa que busque visibilidade.

Experiência do usuário

Um site para divulgar seu negócio não deve priorizar apenas a usabilidade. A experiência do usuário também precisa ser levada em conta, já que um contato positivo com a sua marca pode ser decisivo para aquele visitante comprar mais vezes.

Estude a fundo as preferências da sua audiência e as maneiras de tornar a interação dela com a sua empresa mais positiva e eficiente.

Um bom site para divulgar sua empresa precisa ter todos esses elementos muito bem definidos e alinhados para gerar resultados de qualidade. A internet é bastante concorrida, e qualquer problema no seu site pode danificar suas chances de sucesso. Elabore um bom planejamento e use essa lista para se certificar de que nada fique faltando.

Continue por dentro de todas as nossas novidades e receba tudo direto na sua caixa de entrada. Cadastre seu e-mail e assine nossa newsletter!

 

Ah, e se quiser fazer o diagnóstico do seu site e de todo o seu Marketing digital clique na imagem abaixo e passe, gratuitamente, o nosso Raio X.

Afinal, como posso colocar meu site no Google?

Se você tem uma empresa, provavelmente já está investindo em mudanças para adaptá-la ao mundo digital. São transformações realmente necessárias, mas que geram dúvidas quanto às formas que os clientes e potenciais clientes podem encontrar a sua marca na Internet, não é mesmo? E a pergunta que sempre surge é: como colocar meu site no Google?

Neste post, vamos mostrar o que fazer para o seu site aparecer no gigante das buscas e quais ferramentas podem ajudar nesse momento. Boa leitura!

Como o Google funciona?

Antes de entendermos como o Google funciona, precisamos saber o que é um índice. Tenha em mente, portanto, que um índice é uma espécie de banco de dados dos mecanismos de busca, que reúne uma série de informações sobre os sites e suas páginas. Se um site estiver presente nesse índice, quer dizer que ele tem a possibilidade de aparecer nos resultados de busca.

Mas como incluir o seu site nesse índice? Já vamos chegar lá!

Os buscadores têm softwares chamados crawlers/spiders/robots (os robots do Google são conhecidos como Googlebot), especialmente criados para varrerem a Internet analisando os conteúdos das páginas web e os links presentes nelas. Dentro desses links, eles analisam mais conteúdos e procuram por mais links, e assim sucessivamente.

Sempre que os robots encontram novos sites ou páginas durante esse processo, adicionam informações sobre eles no índice.

Porém, é importante destacar que o fato o seu site estar indexado não quer dizer que ele aparecerá no Google. Isso depende de diversos fatores como a quantidade (e qualidade) de links apontando para ele e a relevância do seu conteúdo para a pesquisa do usuário.

Como aparecer no Google?

Sendo assim, vamos mostrar primeiro uma forma mais tradicional de adicionar um site ao índice do Google. Em seguida, veremos como melhorar as suas chances de aparecer nos resultados das buscas. Vamos lá?

Método 1 — Google Search Console

Usando a ferramenta Search Console, é possível enviar para o Google o seu sitemap.xml, um arquivo que contém uma lista com todas as páginas do seu site e suas respectivas URLs.

O sitemap pode ser criado com serviços como o XML Sitemaps ou o plugin Yoast SEO para WordPress e enviado dentro do Search Console no caminho “Rastreamento” >> “Sitemaps” >> “Adicionar Sitemap”.

Método 2 — SEO

Vamos falar aqui sobre otimização de sites para mecanismos de busca, ou SEO (Search Engine Optimization). São técnicas e estratégias utilizadas para facilitar a compreensão de páginas web pelos buscadores e aumentar as possibilidades de se posicionar bem nos resultados das pesquisas dos usuários.

Isso inclui habilidades como:

  • escolher quais palavras-chave e saber como usá-las no conteúdo do site, de forma que o Google entenda melhor do que se trata o seu negócio;
  • saber utilizar elementos como título, descrição da página, formatação do texto e descrição de imagens de um jeito eficiente;
  • criar um design responsivo para o site, para que ele seja compatível com dispositivos móveis;
  • conseguir links de sites relevantes na sua área de atuação para o site da sua empresa.

Há ferramentas que podem ajudá-lo a analisar o seu site sob o aspecto de SEO. Por exemplo, o SEOquake é capaz de fazer um diagnóstico na página e apontar o que pode ser melhorado. Já o SEMrush é ótimo para avaliar o seu desempenho nas buscas (quanto tráfego seu site gera, quantos links apontam para ele, com quais termos de busca as pessoas costumam chegar até você, etc.).

Lembramos que todas essas práticas têm formas corretas e incorretas de serem implementadas. Portanto, para garantir os melhores resultados e não prejudicar a sua marca, recomendamos sempre a contratação de uma agência especializada.

E aí, curtiu o nosso artigo de hoje? Já consegue dar uma resposta à altura se alguém perguntar “como colocar meu site no Google”? Então, continue aprendendo mais conosco e veja o que busca o cliente moderno!

Saiba o que considerar antes de abrir um negócio online

Você já percebeu o crescimento do setor de e-commerce nos últimos anos? Os números não negam: de acordo com pesquisa realizada pela Ebit, o setor cresceu 8% em 2016, e para 2017 a expectativa é de alta de 10% a 15%. 

Com essa perspectiva, é provável que você considere que vender pela internet pode ser a solução para empreender nesse momento de crise. Nesse sentido, a resposta é sim — o mercado favorece (e muito) essa estratégia!

No entanto, muitos empreendedores iniciantes que estão investindo nisso sem o menor planejamento e conhecimento do setor, infelizmente, acabam “metendo os pés pelas mãos”. 

Mas não se preocupe. Para não cometer erros ao montar a sua loja virtual, siga com a leitura e descubra o que você deve considerar antes de abrir um negócio online!

Faça uma análise de mercado

Partindo do pressuposto de que você já sabe o que vai vender na sua loja virtual, o primeiro passo é analisar a inserção da sua empresa/marca no mercado. 

O segundo, é estudar a viabilidade do seu negócio no ambiente virtual. Depois disso, você deve pesquisar e ficar por dentro de tudo que está acontecendo de novo, identificar quais rumos sua loja deverá seguir, fazer contatos e avaliar diferentes possibilidades de investimentos.

Uma das melhores formas de colocar isso em prática, é observando o que os seus concorrentes estão fazendo. Absorva as boas ideias e veja como podem ser utilizadas no seu negócio, pensando principalmente nos diferenciais. Afinal, com tanta concorrência no mercado, os detalhes fazem toda a diferença para o sucesso do seu negócio. 

Defina seu público-alvo

Para quem você deseja vender? Quais são as necessidades que você pretende suprir com seus produtos e serviços? Esses são alguns questionamentos indispensáveis na hora de definir seu público-alvo.

Assim, com um foco definido e conhecendo muito bem o seu cliente, será possível planejar todas as suas estratégias de maneira mais efetiva — desde a criação da loja até as ações de marketing.

Nessa etapa, é fundamental ter um bom conhecimento do mercado. A partir disso, delimite um grupo segmentado, com características em comum, pensando sempre em atender as suas necessidades de consumo de acordo com os produtos e serviços que você oferece.

Calcule o investimento 

Por menos investimentos que um negócio virtual represente em relação a uma loja física, uma vez que não há necessidade, por exemplo, de arcar com diversos custos relacionados à infraestrutura (como aluguel, contas de água, luz, internet, etc), ainda assim, é preciso colocar tudo na calculadora.

Em outras palavras, não se deixe iludir por essa economia, pois assim como qualquer negócio tradicional, aqui também é imprescindível que você tenha um planejamento determinando os seus custos. Veja os gastos que você deve levar em consideração: 

  • custos estruturais de plataforma e outros recursos de TI;
  • custos com marketing;
  • custos operacionais (fornecedores, entrega, tributações).

Veja como será o estoque de produtos 

Nessa etapa, você precisa avaliar como será feito o estoque de produtos, ou seja, um dos principais requisitos para a sua loja operar. 

Para isso, tenha em mente que no início, é difícil ter uma definição de quantos itens devem ser estocados para a venda, uma vez que não se tem ainda um histórico de compras e vendas para auxiliar nesse processo. 

Nesse caso, o ideal é definir um mix de produtos que serão os “carros-chefes” das vendas — que deverão ser adquiridos em maior quantidade —, assim como aqueles que são menos populares e pouco procurados, devendo compor, portanto, uma parcela menor no estoque.

Dessa forma, sua loja passará a percepção de que possui uma boa variedade de produtos, mas sem correr o risco de perder dinheiro. 

Como você pode ver, abrir um negócio não é tarefa fácil, e para quem deseja entrar no mercado com mais segurança, há empresas especializadas em contribuir parra o seu desenvolvimento, o que é uma boa alternativa para quem está perdido nesse momento. 

Quer receber mais dicas como as você conheceu neste artigo para abrir um negócio online? Nos siga nas redes sociais (FacebookTwitterInstagramGoogle+ e YouTube) para ficar por dentro de todos os novos conteúdos!