Nem tudo são rosas, mas certamente empreender é recompensador.

Se você chegou até aqui pela nossa ação de primeiro de abril nas redes sociais. RÁ! Pegadinha do Malandro. Não existe caminho fácil ou receita de bolo para o sucesso quando o assunto é tirar a ideia do papel e empreender.

O post deste querido blog hoje vai mostrar um pouco sobre a realidade do começo da vida empreendedora. Vamos lá?

Quando converso sobre empreendedorismo com alguém, geralmente me fazem questionamentos como: “Mas você nunca abriu uma loja “real”, só conhece o Digital”, ou “Deve ser uma maravilha ser dono do próprio negócio, não é?”. A resposta, para as duas perguntas, é NÃO. E está será a minha contribuição pessoal para o dia de hoje.

Apesar de ter certa relação, é um pouco simplista associar o empreendedorismo somente a “ter um negócio próprio”. Muito mais do que uma profissão, ser empreendedor é um estilo de vida, um comportamento.

Ex: um estagiário que vai além das suas obrigações para entregar um serviço de qualidade não pode ser considerado um empreendedor? Eu acho que sim!

Comecei a trabalhar muito cedo, afinal provavelmente você também, precisava ajudar a pagar as contas da casa e os estudos. Minha busca por oportunidades de trabalho iam desde a nossa querida Belém, até o Canadá. Não sabia como, mas queria oferecer uma solução (dentro das minhas possibilidades) para alguém que tivesse a necessidade de comprar meu serviço (mesmo que essa pessoa ainda não soubesse que precisava).

Foi quando tive a oportunidade de ir para São Paulo, trabalhar desde vendedor de sites (porta-a-porta) até como redator em um grande portal de notícias. Hoje tenho o prazer de estar cercado de pessoas criativas e focadas no resultado. E juntos, estamos ajudando a desenvolver o mercado digital das terras do Norte. Isso é empreender para você? Para mim, sim!

Se tem uma coisa que aprendi nesse caminho até aqui é que, quando você investe em seu próprio negócio – tempo, dinheiro, paixão e criatividade – você raramente, ou nunca, sai do escritório – pelo menos do ponto de vista mental.

Duvida ou concorda? Deixe-me começar a lista com a parte BRABA de ser empreendedor.

    1.  É estressante. Se você acha que o cumprimento dos prazos ou exigências de um chefe é algo chato, imagine tentar satisfazer o suas próprias, especialmente quando suas economias pessoais estão em jogo. Ficar no vermelho é algo terrível, e isso vai te dar uma pressão adicional para inovar, otimizar seu processo de entrega de serviços e, assim recuperar alguma segurança financeira, nem que seja aparente.
    2. Não tem fim. Sim, pode ser ingrato trabalhar para outra pessoa, sabendo que suas habilidades e talentos são parte um pacote para o lucro do dono da empresa. Mas, na maioria dos empregos, você pode deixar o trabalho para trás quando vai para casa para desfrutar de sua família, amigos ou hobbies. Como um empreendedor, a carga de trabalho pode ser intensa, especialmente durante os estágios iniciais, quando você é o CEO, Financeiro, RH, pessoal de vendas, guru do marketing, cara da tecnologia, gerente de escritório, e zelador. Com tantos “cargos” acumulados, raros serão os dias nos quais você completará suas tarefas em tempo hábil. Há sempre algo mais que você poderia estar fazendo, como prospecção de novos mercados, entrar em contato com novos meios de comunicação, desenvolvimento de novos produtos. A lista é quase infinita.  Ah, e você ainda tem família, amigos, cachorro, academia, e leituras para manter atualizado. Fácil, né?
    3. É frustrante: Talvez você esteja em parceria com alguém que não tenha alegria no coração. Ou seu carregamento de produtos novos vieram danificados e a apresentação é amanhã. Sempre dá uma m#$@.
      Como um empreendedor, estes tipos de situações acontecem regularmente. A verdade é que você nunca sabe o que está por vir e pode ser extremamente frustrante quando meses de planejamento vão por água abaixo devido a algo inesperado.

Égua, Diego! Estresse, pressão e carga de trabalho, por que, então, alguém iria escolher ser um empreendedor? A resposta é simples: os pontos positivos superam os negativos:

  1. É recompensador: Quando você tem êxito (mesmo que parcial) na execução dos projeto, você colhe recompensas tanto financeiras quanto emocionais. Não existem palavras para descrever o seu sentimento ao entregar valor ao cliente, vê-lo satisfeito com o seu trabalho. Sem falar no sentimento da conquista de um novo cliente, do feedback positivo e, lógico, ver que a sua ideia dar dinheiro.
  2. É flexível: Quando você começa a trabalhar para si mesmo, a primeira sensação que vem em mente é:”Nunca mais vou trabalhar das 08h às 18h”. Sim, você pode trabalhar mais horas, mas você pode criar suas próprias regras. Há quem trabalhe as mesmas 8 horas no dia sem se preocupar com rush, em perder a hora de buscar as crianças na escola ou deixar de participar de alguma atividade social. Basta focar no resultado e se adiantar o quanto puder.
  3. É sua chance de fazer diferente: Muitos empreendedores são movidos pela necessidade de construir algo GRANDE, ajudar pessoas ou pela necessidade de quebra de paradigma. Talvez sua inspiração seja criar algo na qual seus filhos possam trabalhar e ajudar a crescer como negócio. Criar algo a partir do nada, que cresce, se desenvolve e te enche de orgulho. Sim, é como ter um filho mesmo. Este tipo de realização é difícil de se ver em outros planos de carreira.

E você, tem alguma lição sobre empreender que queira compartilhar com a gente? Escreva aí nos comentários.

Facebook Comments